PIRACICABA, SEXTA-FEIRA, 3 DE JULHO DE 2020
Aumentar tamanho da letra
Página inicial  /  Webmail

26 DE JUNHO DE 2020

Requerimentos de Trevisan Jr. questionam rescisão amigável da Via Ágil


O parlamentar cobra responsabilidade da Prefeitura perante a retenção de valor a ser utilizado para o pagamento dos colaboradores que foram desligados da empresa



EM PIRACICABA (SP)  

Requerimentos de Trevisan Jr. questionam rescisão amigável da Via Ágil

Requerimentos de Trevisan Jr. questionam rescisão amigável da Via Ágil

Requerimentos de Trevisan Jr. questionam rescisão amigável da Via Ágil

Requerimentos de Trevisan Jr. questionam rescisão amigável da Via Ágil
Salvar imagem em alta resolução

Requerimentos de Trevisan Jr. questionam rescisão amigável da Via Ágil






Na 19ª reunião extraordinária de ontem (25), o vereador Trevisan Jr. (PL) garantiu em plenário a votação de dois requerimentos 311 e 312/2020, de sua autoria, que cobram informações da Prefeitura sobre a complementação da rescisão contratual amigável assinada com a empresa Via Ágil, do transporte coletivo, além de informações sobre a retenção de valor a ser utilizado para pagamento das rescisões contratuais dos colaboradores da empresa.

Na discussão dos requerimentos, o vereador Trevisan Jr. reforçou as indagações sobre os valores repassados mensalmente à Via Ágil, e se foi retido algum montante. O parlamentar informou que nesta quinta-feira à tarde, recebeu um requerimento de maio, sendo que procurou estudar o assunto para entender um pouco o que aconteceu nesse contrato de 2013.

O questionamento ao Executivo é que, em caso positivo, se o valor retido foi devidamente depositado em conta judicial. Trevisan também detalhou as médias de valores repassados por mês, sendo que em 2020 começou com R$ 6,6 milhões. "É de se pensar: tirou ônibus de circulação alegando que tinha pandemia, para cair a receita para justificar a rescisão do contrato amigável?", indaga o parlamentar, além de mostrar que a Fipe (Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas) foi contratada para dar um parecer, dizendo que a empresa teria um valor a pagar de R$ 33 milhões.

"Aí, eles fazem um cálculo descontando imposto que deve, faz o custo fixo, tira quatro meses de valor a ser abatido, sendo que a Prefeitura ficou de pagar R$ 17,6 milhões. Essa é a rescisão amigável. Aí, três empresas se interessaram. Sabe como foi o vencedor da licitação? Aquele que deu o maior desconto: 0,5% da viação de Jundiaí, 1% da Rápido Sumaré e 2,2% da Trans Acreana. Há 39 dias o contrato foi feito, agora vem termo de subsídio de R$ 7 milhões. O suposto desconto já está sendo reposto, a título de que não haverá aumento na passagem de ônibus. O engraçado é que no subsídio vem com o custeio do sistema para não aumentar o preço da passagem. Quem vai votar contrário mesmo sabendo disso? É um jogo político de muita estratégia", destacou o parlamentar, no teor dos requerimentos.

O vereador Lair Braga (SD) também se posicionou sobre esta temática que envolve o transporte coletivo em Piracicaba. E, informou que na última terça-feira apresentou requerimento em que solicita informações sobre projeto de lei do Executivo para pagamento de funcionários da empresa Via Ágil. "Não quero aqui fazer nenhuma acusação, mas a grande pergunta que fica é: onde entra a responsabilidade da Via Ágil em toda essa história? Faz um distrato amigável, se fosse o inverso a Via Ágil aceitaria tais condições? A Via Ágil não tem nenhum patrimônio para arcar com a rescisão desses funcionários?", indagou o parlamentar.

 

What do you want to do ?
New mail
 
What do you want to do ?
New mail
 
What do you want to do ?
New mail


Texto:  Martim Vieira - MTB 21.939
Supervisão de Texto e Fotografia: Valéria Rodrigues - MTB 23.343
Imagens de TV:  TV Câmara


Legislativo Laércio Trevisan Jr

Notícias relacionadas