PIRACICABA, QUARTA-FEIRA, 12 DE AGOSTO DE 2020
Aumentar tamanho da letra
Página inicial  /  Webmail

19 DE JUNHO DE 2020

Moções pedem medidas de flexibilização de salões de beleza e academias


Proposituras do vereador André Bandeira foram votadas e discutidas nesta quinta (18)



EM PIRACICABA (SP)  

Salvar imagem em alta resolução





A Câmara aprovou nesta quinta-feira (18), na 15ª reunião extraordinária, as moções 64 e 65/2020, ambas do vereador André Bandeira (PSDB), que apelam ao Governo do Estado de São Paulo para que adote medidas de flexibilização a estabelecimentos comerciais como salões de beleza e academias de lazer no período da pandemia da Covid-19 (novo Coronavírus).

No texto da moção 64/2020, o vereador cita que Piracicaba está na fase que permite a abertura de atividades imobiliárias, concessionárias de veículos, escritórios, comércio em geral e shopping center, mas que diversos setores da economia estão em prejuízo. “É extremamente preocupante as consequências que gestores e profissionais de salões, clínicas de estética, depilação e bronzeamento, barbearias e outros do segmento vem enfrentando. Além do prejuízo aos proprietários, muitos colaboradores também têm sofrido diversas perdas. Alguns, infelizmente, são demitidos e outros tiveram sua renda também diminuída”, diz.

Já na moção 65/2020, André Bandeira lembra que as academias continuam pagando os alugueis e os profissionais que trabalham na área, mas sem receber a mesma renda. Ele traz dados da OMS (Organização Mundial da Saúde), de que o Brasil é o quinto país mais sedentário, com 47% de sua população inativa. “Doenças como hipertensão, diabetes e fatores de risco como a obesidade estão entre as principais causas de mortes no mundo. A prática de atividade física é a recomendação para melhorar todos esses quadros e evitar o agravamento, caso se contraia outras doenças, entre elas a Covid-19”, diz, ao completar: “academias deveriam ser consideradas como atividade de saúde e não de lazer”.

As moções foram discutidas pelos parlamentares. O vereador Isac Souza (PTB) observou que falta diálogo do Governo do Estado de São Paulo com as cidades de pequeno e médio porte para a construção dos planos de flexibilização. "Existem diversas linhas e discussões, desde questões ideológicas, culturais, enfim. Nesse cenário, as tentativas para fazer com que a coisa não avance causam um desconforto danado, o que está impactando a vida de todos", disse.

Já o vereador José Aparecido Longatto (PSDB), um dos problemas é o desencontro de informações entre as diferentes esferas, como os governos federal, estadual e municipal, além do Ministério Público. "Falta um pouquinho é de comando, o presidente deveria assumir o papel de presidente, chamar os governadores e coordenar as ações. O povo está perdido, não sabe em quem acreditar. Cada um fala uma coisa. O que precisa é organizar o país. Quem está pagando caro é a Classe C", opinou.

O vereador Osvaldo Schiavolin, o Tozão (PSDB), lembrou que é preciso sair de casa o necessário, mas disse que não dá para ficar em casa o tempo todo. "A situação é complicadíssima e os pequenos empresários estão desesperados, só faltam mesmo fechar. Sugestão: todo mundo faz a sua tarefa de casa bem-feitinha, vamos trabalhar, ninguém vive sem trabalho, mas, com as devidas precauções."



Texto:  Rodrigo Alves - MTB 42.583
Supervisão de Texto e Fotografia: Valéria Rodrigues - MTB 23.343


Legislativo André Bandeira José Longatto Isac Souza Osvaldo Schiavolin

Notícias relacionadas