PIRACICABA, TERÇA-FEIRA, 24 DE MAIO DE 2022
Aumentar tamanho da letra
Página inicial  /  Webmail

10 DE DEZEMBRO DE 2021

Ativista cultural leva o Prêmio Madre Tereza de Calcutá deste ano


Mayra Camargo recebeu o Prêmio Madre Tereza de Calcutá, durante solenidade na tarde desta sexta-feira (10), pela criação do projeto "Barranco Cultural", no Santa Fé I



EM PIRACICABA (SP)  

Foto: Davi Negri - MTB 20.499 (1 de 13) Salvar imagem em alta resolução

Prêmio Madre Tereza de Calcutá 2021

Prêmio Madre Tereza de Calcutá 2021
Foto: Davi Negri - MTB 20.499 (2 de 13) Salvar imagem em alta resolução

Mesa diretiva

Mesa diretiva
Foto: Davi Negri - MTB 20.499 (3 de 13) Salvar imagem em alta resolução

Vereadora Rai de Almeida

Vereadora Rai de Almeida
Foto: Davi Negri - MTB 20.499 (4 de 13) Salvar imagem em alta resolução

Vereadora Sílvia Morales

Vereadora Sílvia Morales
Foto: Davi Negri - MTB 20.499 (5 de 13) Salvar imagem em alta resolução

Professor Fernando Monteiro Camargo, representando a secretária municipal de Assistência e Desenvolvimento Pessoal, Euclídia Fioravante

Professor Fernando Monteiro Camargo, representando a secretária municipal de Assistência e Desenvolvimento Pessoal, Euclídia Fioravante
Foto: Davi Negri - MTB 20.499 (6 de 13) Salvar imagem em alta resolução

Professor Adelino de Oliveira, do IF (Instituto Federal de Educação - campus Piracicaba - SP)

Professor Adelino de Oliveira, do IF (Instituto Federal de Educação - campus Piracicaba - SP)
Foto: Davi Negri - MTB 20.499 (7 de 13) Salvar imagem em alta resolução

Célia Regina Rossi, coordenadora da Rede Acampa pela Paz e o Direito a Refúgio – do Brasil, Portugal e Espanha

Célia Regina Rossi, coordenadora da Rede Acampa pela Paz e o Direito a Refúgio – do Brasil, Portugal e Espanha
Foto: Davi Negri - MTB 20.499 (8 de 13) Salvar imagem em alta resolução

Donizete Gomes de Oliveira, capitão da Polícia Militar

Donizete Gomes de Oliveira, capitão da Polícia Militar
Foto: Davi Negri - MTB 20.499 (9 de 13) Salvar imagem em alta resolução

Lia Mara de Oliveira, presidente do Conselho Municipal da Mulher

Lia Mara de Oliveira, presidente do Conselho Municipal da Mulher
Foto: Davi Negri - MTB 20.499 (10 de 13) Salvar imagem em alta resolução

Mayra Camargo e seus pais

Mayra Camargo e seus pais
Foto: Davi Negri - MTB 20.499 (11 de 13) Salvar imagem em alta resolução

Prêmio Madre Tereza de Calcutá 2021

Prêmio Madre Tereza de Calcutá 2021
Foto: Davi Negri - MTB 20.499 (12 de 13) Salvar imagem em alta resolução

Prêmio Madre Tereza de Calcutá 2021

Prêmio Madre Tereza de Calcutá 2021
Foto: Davi Negri - MTB 20.499 (13 de 13) Salvar imagem em alta resolução

Prêmio Madre Tereza de Calcutá 2021

Prêmio Madre Tereza de Calcutá 2021
Foto: Davi Negri - MTB 20.499 Salvar imagem em alta resolução

Prêmio Madre Tereza de Calcutá 2021






No Dia Internacional de Declaração Universal dos Direitos Humanos, a servidora pública, há mais de 25 anos da secretaria municipal de Educação e ativista cultural, Mayra Kristina Camargo, de 46 anos, ganhou o Prêmio Madre Tereza de Calcutá de Direitos Humanos, de 2021, da Câmara Municipal de Piracicaba (SP).

Ela “conheceu a periferia” a partir do momento que ingressou na carreira pública e foi trabalhar no ensino infantil. Natural de Piracicaba e do bairro Vila Independência, “área central”, como ela mesmo define, Mayra, junto de sua filha Lindwyuê, além de outros moradores, criaram no bairro Santa Fé I o “Barranco Cultural”, literalmente um barranco localizado ao final de uma rua sem saída que serve de “palco” para apresentações artísticas, para contar histórias, biblioteca e exibição de filmes no “Cine Barranco”

“Quando a gente veio pra cá (Santa Fé), praticamente não tinha nada para as crianças se divertirem, saírem, eram somente brinquedos, uma coisa ou outra, mas nada que levasse para algum lugar. E hoje ela trouxe a cultura, muita coisa boa que as crianças podem levar para toda a vida”, complementa Lindwyuê Camargo, filha da homenageada.

Mayra foi premiada na tarde desta sexta-feira (10), durante solenidade no salão nobre “Helly de Campos Melges”, numa iniciativa da vereadora Rai de Almeida (PT) pelo trabalho social que realiza no incentivo à cultura. No mesmo evento foi celebrado o encerramento dos “16 Dias de Ativismo pelo fim da violência contra a Mulher”, atendendo à resolução 10, de 26/11 de 1998 e ao requerimento 3/2021.

“Com 13 anos eu me defini rapper e foi através do Hip-Hop que eu conheci a minha história, que eu fui saber algumas coisas sobre o genocídio do povo preto, detalhes que eu nunca ouvi em escola nenhuma”, revela Mayra, que acredita na revolução dos espaços por meio da arte.

O “Barranco Cultural”, enfatiza a líder comunitária, surgiu da necessidade de o bairro Santa Fé ter um local para o desenvolvimento da cultura, já que o espaço não tem um centro cultural. “Havia uma venda muito grande de drogas, ali, e a gente chegava e eles saíam uns 10 minutos de a gente começar a fazer alguma coisa. Um dia, uma pessoa pegou uma vassoura e foi varrer junto conosco, a igreja evangélica começou a emprestar o som para fazermos o Cine Barranco, pois é uma comunidade matriarca porque a mulher está à frente, estando com o companheiro ou não”, detalha Mayra.

Para a vereadora Rai de Almeida, falar de direitos humanos é “falar de humildade, de simplicidade”. “Nós estamos numa sociedade que estamos tendo perda de direitos, pois nós temos uma população que tem sido encarcerada em sua maioria por jovens negros”. A parlamentar enfatizou que direitos humanos são “moradia”, “saúde”, “educação”, “saneamento”, “água com qualidade”, “esporte e lazer” “ e de todos os direitos para que as pessoas possam ter a dignidade.

À frente do Mandato Coletivo “A Cidade é Sua”, a vereadora Silvia Morales (PV) ficou satisfeita em dividir com a vereadora Rai de Ameida os “16 Dias de Ativismo pelo fim da violência contra a Mulher”. Ela reportou inúmeras atividades, entre elas o projeto “Cartas pra Você”, escritas por mulheres que são acolhidas pelo CRAN (Centro de Referência e Assistência à Mulher) e que foram expostas no hall de entrada do prédio principal da Câmara.

Compuseram, também, a mesa diretiva dos trabalhos o professor do IF (Instituto Federal de Educação – Piracicaba), Adelino de Oliveira; o antropólogo e assessor da secretaria municipal de Assistência e Desenvolvimento Social, Fernando Monteiro Camargo; o capitão da Polícia Militar do 10º BPMI (Batalhão de Polícia Militar do Inteiror), Donizete Gomes de Oliveira e Célia Regina Rossi, da Unesp, e coordenadora da Rede Acampa pela Paz e o Direito a Refúgio – do Brasil, Portugal e Espanha.

MADRE TEREZA - Agnes Gonxha Bojaxhiu nasceu numa família católica da comunidade albanesa do sul da antiga Iugoslávia. Foi educada numa escola pública e, ainda jovem, tornou-se solista no coro da igreja.

Em setembro de 1928, ingressou na Casa das Irmãs de Nossa Senhora do Loreto, em Dublin, na Irlanda. De lá partiu para a cidade de Darjeeling, na Índia, onde as irmãs de Loreto tinham um colégio, em 1931. Lá fez noviciado e finalmente fez os votos de obediência, pobreza e castidade, tomando o nome de Teresa.

De Darjeeling, Teresa partiu para Calcutá, onde viveu como religiosa e foi professora de história e geografia no Colégio Santa Maria, único colégio católico para meninas ricas da cidade de Calcutá. O contraste com a pobreza à sua volta era muito grande. Em maio de 1937, Teresa fez a profissão perpétua.

A revelação ocorreu em setembro de 1946, durante uma viagem de trem. Madre Teresa ouviu um chamado interior que a incitou a abandonar o convento de Loreto, em Calcutá, e passar a viver entre os pobres. 

Madre Tereza fundou casas religiosas por toda a Índia e, depois, no exterior. Seu trabalho obteve grande repercussão. O Papa João Paulo II cedeu uma casa, ao lado da Santa Sé, para recolhimento dos pobres, a casa "Dom de Maria".

Em 1979, Madre Teresa recebeu o prêmio Nobel da Paz, pelos serviços prestados à humanidade. Depois de dedicar toda uma vida aos pobres, Madre Teresa de Calcutá morreu aos 87 anos, de parada cardíaca.



Texto:  Marcelo Bandeira - MTB 33.121
Supervisão:  Rodrigo Alves - MTB 42.583


Homenagem Rai de Almeida Silvia Maria Morales

Notícias relacionadas