PIRACICABA, DOMINGO, 7 DE AGOSTO DE 2022
Aumentar tamanho da letra
Página inicial  /  Webmail

19 DE FEVEREIRO DE 2021

Reajuste do IPTU acima da inflação é alvo de críticas


Debate na Câmara, na noite desta quinta-feira (18), foi motivado por moção de apelo apresentada pelo vereador André Bandeira (PSDB).



EM PIRACICABA (SP)  

Salvar imagem em alta resolução





A 6ª reunião ordinária da Câmara, na noite desta quinta-feira (18), foi tomada, em grande parte, por críticas ao reajuste do IPTU acima de índice inflacionário. A discussão que mobilizou nove parlamentares foi motivada pela moção 22/2021, proposta pelo vereador André Bandeira (PSDB), em que ele apela o prefeito Luciano Almeida (DEM) para que não realize o reajuste de 7,7% no imposto, um dos principais na arrecadação municipal.

Os vereadores Gustavo Pompeo (Avante) e Fabrício Polezi (Patriota) lembraram das dificuldades decorrentes do isolamento social, realizado com o objetivo de amenizar a contaminação do coronavírus, sobre a população em geral, mas principalmente aos comerciantes. “Teve um efeito arrasador”, disse Pompeo, ao justificar que não é momento de ter aumento de um imposto acima do índice da inflação.

“Sou totalmente a favor em rever ou mesmo revogar a progressão de impostos, porque a maioria da população considera abusiva”, disse Polezi.

Durante a discussão, o vereador Pedro Kawai (PSDB) explicou que a Administração anterior, do ex-prefeito Barjas Negri, foi necessário definir um cronograma de reposição do IPTU, “até para poder fazer frente às contrapartidas que a Prefeitura precisava oferecer em investimentos realizados com recursos de fora, como repasses do governo federal”, disse.

Já o vereador Paulo Camolesi (PDT) informou que a inflação medida IPCA em 2020 ficou em 4,52%, enquanto a proposta de aumento do IPTU é de 7,7%. “Ou seja, tem uma correção agora, mas não vai ser apenas essa, vai vir muito mais pela frente”, disse, ao salientar que a progressão vale para “quatro ou cinco anos”, disse.

Servidor municipal de carreira, o vereador Zezinho Pereira (DEM) criticou o reajuste acim acima do índice inflacionário do IPTU em um momento em que existe um decreto presidencial que impede o aumento para funcionários públicos. “É um negócio estranho, como pode subir (o IPTU) se não pode dar para os trabalhadores, isso precisa ser revogado, porque é um negócio até meio confuso”, disse.

Na mesma linha de argumentação, o vereador Cassio Luiz Barbosa, o Cassio “Fala Pira” (PL), criticou o reajuste do IPTU. “Não tem coerência uma questão desta, as pessoas perderam empregos, estão desesperadas, (a cidade) está uma vergonha há anos”, disse.

O vereador Laércio Trevisan Jr. (PL) lembrou que, quando a antiga gestão pública encaminhou a proposta do escalonamento do reajuste do IPTU, ele foi contra. “A maioria das vezes a gente sabe da frase que o tempo é a razão da verdade”, disse, e destacou que já naquela oportunidade, havia criticado a proposta “que iria pesar no bolso”.

A vereadora Silvia Morales, do mandato coletivo A Cidade É Sua (PV), aproveitou a discussão sobre o IPTU para criticar os inúmeros aumentos de perímetros urbanos entre os anos de 2010 a 2016, “foram em torno de 20 a 30 vezes”, destacou. “O resultado disso é que muitos sítios acabaram sendo taxados e isso precisa ser revisto”, apontou.

Também foram aprovados, em discussão única, as moções 21, de apelo, e 23, de aplausos, ambas de 2021, e os requerimentos 213, 214, 215, 216, 217, 218, 220 e 221, todas de 2021. Em segunda discussão, foi aprovado o projeto de lei 113/2020, que inclui tempos de qualquer culto como “atividade essencial em período de calamidade pública e pandemia”.



Texto:  Erich Vallim Vicente - MTB 40.337
Supervisão de Texto e Fotografia: Valéria Rodrigues - MTB 23.343


Legislativo André Bandeira Ary Pedroso Jr Laércio Trevisan Jr Gilmar Rotta Paulo Camolesi Paulo Campos Pedro Kawai Rerlison Rezende Aldisa Marques Wagner Oliveira Zezinho Pereira Cassio Luiz Alessandra Bellucci Acácio Godoy Ana Pavão Josef Borges Thiago Ribeiro Gustavo Pompeo Rai de Almeida Anilton Rissato Fabricio Polezi Silvia Maria Morales

Notícias relacionadas