PIRACICABA, QUARTA-FEIRA, 20 DE OUTUBRO DE 2021
Aumentar tamanho da letra
Página inicial  /  Webmail

22 DE SETEMBRO DE 2021

"Prejudicados" procuram à Câmara para reverter perdas salariais


Reunião foi agendada pelo vereador André Bandeira (PSDB) e contou com outros parlamentares da Casa Legislativa



EM PIRACICABA (SP)  

Foto: Guilherme Leite - MTB 21.401 (1 de 11) Salvar imagem em alta resolução

Reunião foi no salão nobre do Legislativo, respeitando as regras sanitárias

Reunião foi no salão nobre do Legislativo, respeitando as regras sanitárias
Foto: Guilherme Leite - MTB 21.401 (2 de 11) Salvar imagem em alta resolução

Presidente da Câmara Municipal de Piracicaba (SP), vereador Gilmar Rotta (Cidadania)

Presidente da Câmara Municipal de Piracicaba (SP), vereador Gilmar Rotta (Cidadania)
Foto: Guilherme Leite - MTB 21.401 (3 de 11) Salvar imagem em alta resolução

Vereador André Bandeira (PSDB) presidiu a reunião com os servidores

Vereador André Bandeira (PSDB) presidiu a reunião com os servidores
Foto: Guilherme Leite - MTB 21.401 (4 de 11) Salvar imagem em alta resolução

Vereador Gustavo Pompeo (Avante)

Vereador Gustavo Pompeo (Avante)
Foto: Guilherme Leite - MTB 21.401 (5 de 11) Salvar imagem em alta resolução

Vereador Zezinho Pereira (DEM)

Vereador Zezinho Pereira (DEM)
Foto: Guilherme Leite - MTB 21.401 (6 de 11) Salvar imagem em alta resolução

Vereador Wagner Oliveira - Wagnão - (Cidadania)

Vereador Wagner Oliveira - Wagnão - (Cidadania)
Foto: Guilherme Leite - MTB 21.401 (7 de 11) Salvar imagem em alta resolução

Servidor Fábio Ricco, coordenador da Rede de Atenção Básica da Saúde

Servidor Fábio Ricco, coordenador da Rede de Atenção Básica da Saúde
Foto: Guilherme Leite - MTB 21.401 (8 de 11) Salvar imagem em alta resolução

Reunião foi no salão nobre do Legislativo, respeitando as regras sanitárias

Reunião foi no salão nobre do Legislativo, respeitando as regras sanitárias
Foto: Guilherme Leite - MTB 21.401 (9 de 11) Salvar imagem em alta resolução

Servidora da Secretaria Municipal de Saúde

Servidora da Secretaria Municipal de Saúde
Foto: Guilherme Leite - MTB 21.401 (10 de 11) Salvar imagem em alta resolução

Servidor da Secretaria Municipal de Saúde

Servidor da Secretaria Municipal de Saúde
Foto: Guilherme Leite - MTB 21.401 (11 de 11) Salvar imagem em alta resolução

Reunião foi no salão nobre do Legislativo, respeitando as regras sanitárias

Reunião foi no salão nobre do Legislativo, respeitando as regras sanitárias
Foto: Guilherme Leite - MTB 21.401 Salvar imagem em alta resolução

Reunião foi no salão nobre do Legislativo, respeitando as regras sanitárias



Um grupo de servidores da Secretaria Municipal de Saúde esteve na Câmara nesta tarde (22) para solicitar apoio dos vereadores para se chegar a uma solução com objetivo de reverter perdas salariais, de modo que os proventos sejam corrigidos por índices inflacionários. A quantia máxima que os funcionários públicos municipais pode receber é R$ 15.500,00, sendo que esses valores são ultrapassados com facilidade por médicos e dentistas da referida secretaria, principalmente aqueles que têm anos de trabalho no serviço público.  Eles foram recebidos pelos vereadores André Bandeira (PSDB), Wagner Oliveira (Cidadania), Zezinho Pereira (DEM), Gustavo Pompeo (Avante) e o presidente do Legislativo, Gilmar Rotta (Cidadania)

A situação, define os participantes do encontro, é preocupante porque afasta médicos e outros profissionais de áreas correlatas a se candidatar a vagas na área da saúde do município, explica o cirurgião dentista Fábio Ricco, um dos coordenadores da Rede de Atenção Básica da Prefeitura de Piracicaba. “Nós não viemos na Câmara pedir aumento aos vereadores, mas que seja encontrada uma solução porque muitos de nossos colegas que têm mais de 30 anos de casa (Prefeitura) não podem receber acima do salário do prefeito”, complementa.

“Hoje abrem-se concursos públicos e não fecham-se as vagas para a Saúde”, exemplifica o médico do programa saúde da família, Luiz Fernando. Ele afirmou que Piracicaba (SP) só não está em uma situação pior por causa do “Programa Mais Médicos” – instituído em 2013 pelo governo federal.

Denominado de “Prejudicados” o grupo de servidores salienta que 86 profissionais da Secretaria Municipal de Saúde são impedidos de receber salários acima do teto salarial do prefeito. “Esses funcionários têm descontados mensalmente o valor de R$ 6.000,00 de seus salários”, disse Anair Ferrer, também coordenadora da Rede de Atenção Básica da Saúde. “Além disso, 10 equipes do Programa Saúde da Família estão sem médicos porque outros municípios pagam mais do que Piracicaba”, reitera.

Exemplos de outras cidades que remuneram melhor os servidores foram apresentados pelos ‘Prejudicados’. “Barretos, no interior de São Paulo, um médico no início de carreira entra ganhando aproximadamente R$ 22 mil reais de salário; no segundo ano sobe para R$ 23 mil. Profissional novo não se interessa por trabalhar aqui e, quando entra, fica pouco tempo, vai embora para a iniciativa privada ou outro município”, argumenta Ferrer.

O cirurgião dentista Fábio Ricco justificou aos vereadores que na administração do então prefeito municipal Adilson Maluf (1988 a 1992) foi criado o “abono desempenho” que serviu para deixar os salários da categoria “semelhantes aos da iniciativa privada”. Ele frisou que os concursos públicos realizados outrora por administrações anteriores “eram bem concorridos” porque os vencimentos atraíam bons profissionais, “o que não acontece hoje, justamente pelo teto bater nos R$ 15.500,00. Os mais prejudicados são os servidores com 15, 20, 30 anos de casa”, destaca.

As perdas salariais desde o congelamento dos salários, alegam os servidores, chegam a 43%. “Uma pessoa que faz seis plantões, por exemplo, no hospital municipal do Mandaqui, em São Paulo (SP), ganha R$ 1200,00 por noite. Se essa mesma pessoa fizer o mínimo de seis plantões no mês acaba recebendo mais do que um médico em Piracicaba”, atestou Ricco.

Ficou claro na reunião que a exemplo dos médicos e cirurgiões dentistas, qualquer funcionário público municipal que receba acima de R$ 15.500,00, mesmo com mais de 30 anos de serviço, tem os vencimentos cortados. “Recebe, mas não leva”, disse um outro participante.

Encaminhamentos – O vereador André Bandeira foi o responsável por agendar o encontro e ouvir as demandas dos profissionais da Saúde. Ele reiterou que é necessário, urgente, encontrar um caminho para que a população não fique prejudicada pela falta de médicos e que os servidores possam receber merecidamente os salários que fazem jus. Os demais parlamentares também têm esse entendimento.

Já o presidente do Legislativo foi realista e disse que a situação não é tão simples “porque Piracicaba tem 9620 servidores e não se pode corrigir os salários somente de uma categoria”, disse Gilmar Rotta (Cidadania). Ele lembrou que está em vigor a “Lei do Bolsonaro” que impede até 31 de dezembro de 2021 qualquer tipo reajuste ou recomposição salarial ao funcionalismo de todas as esferas (municipal, estadual e federal) devido à crise do Coronavírus”. Mas, ponderou que os subsídios do prefeito e dos vereadores precisam passar por uma atualização, o que na prática, se aumentaria os ganhos de servidores municipais que estão próximos do teto salarial do Executivo.

Diante do que foi exposto, Rotta comprometeu-se com os funcionários que solicitará da assessoria jurídica da Câmara outras informações sobre o reajuste que o então prefeito da Capital Paulista, Bruno Covas (PSDB) concedeu ao Executivo daquele município no ano passado – cerca de 46%. “À época, o Bruno (Covas) sancionou o reajuste, mas não aceitou receber, mas a medida possibilitou que os salários dos servidores que estavam próximos do teto pudessem receber um pouco mais”, explicou Rotta, que sugeriu ainda, que o gabinete do vereador André Bandeira entre em contato com o Ministério do Trabalho local para se chegar a um consenso sobre os valores que estão sendo suprimidos dos contracheques da categoria.

Funcionalismo – O artigo 37 da Constituição Federal – inciso 11 – impede que os servidores municipais, por exemplo, recebam acima do cargo de prefeito municipal – no caso de Piracicaba o valor não pode ultrapassar R$ 15.500,00; os servidores do governo do Estado estão impedidos de receber proventos acima do salário do governador e os do governo federal estão proibidos de ser remunerados acima dos vencimentos do presidente da República. Soma-se a isso o projeto de lei complementar federal, proposto pelo presidente da República, Jair Bolsonaro (Sem partido), que proíbe reposições e aumentos salariais, além de gratificações, a qualquer servidor da federação até o fim desse ano, podendo o mesmo ser reeditado.

 



Texto:  Marcelo Bandeira - MTB 33.121
Supervisão:  Rodrigo Alves - MTB 42.583


Câmara André Bandeira

Notícias relacionadas