PIRACICABA, SEGUNDA-FEIRA, 26 DE SETEMBRO DE 2022
Aumentar tamanho da letra
Página inicial  /  Webmail

23 DE AGOSTO DE 2022

Palestra aborda desenvolvimento socioeconômico rural sustentável


Evento foi promovido pela Escola do Legislativo nesta terça-feira.



EM PIRACICABA (SP)  

Foto: Guilherme Leite - MTB 21.401 (1 de 6) Salvar imagem em alta resolução

Atividade aconteceu de maneira presencial, no prédio anexo da Câmara

Atividade aconteceu de maneira presencial, no prédio anexo da Câmara
Foto: Guilherme Leite - MTB 21.401 (2 de 6) Salvar imagem em alta resolução

Atividade aconteceu de maneira presencial, no prédio anexo da Câmara

Atividade aconteceu de maneira presencial, no prédio anexo da Câmara
Foto: Guilherme Leite - MTB 21.401 (3 de 6) Salvar imagem em alta resolução

Atividade aconteceu de maneira presencial, no prédio anexo da Câmara

Atividade aconteceu de maneira presencial, no prédio anexo da Câmara
Foto: Guilherme Leite - MTB 21.401 (4 de 6) Salvar imagem em alta resolução

Atividade aconteceu de maneira presencial, no prédio anexo da Câmara

Atividade aconteceu de maneira presencial, no prédio anexo da Câmara
Foto: Guilherme Leite - MTB 21.401 (5 de 6) Salvar imagem em alta resolução

Atividade aconteceu de maneira presencial, no prédio anexo da Câmara

Atividade aconteceu de maneira presencial, no prédio anexo da Câmara
Foto: Guilherme Leite - MTB 21.401 (6 de 6) Salvar imagem em alta resolução

Atividade aconteceu de maneira presencial, no prédio anexo da Câmara

Atividade aconteceu de maneira presencial, no prédio anexo da Câmara
Foto: Guilherme Leite - MTB 21.401 Salvar imagem em alta resolução

Atividade aconteceu de maneira presencial, no prédio anexo da Câmara



A Escola do Legislativo "Antonio Carlos Danelon - Totó Danelon", da Câmara, promoveu, nesta terça-feira (23), a palestra "Desenvolvimento socioeconômico rural sustentável". O encontro aconteceu de maneira presencial no prédio anexo da Casa e abordou o viés do desenvolvimento socioeconômico da zona rural de Piracicaba com o princípio da eficiência econômica social.

Como palestrante, esteve presente Rui Cassavia Filho, gestor de propriedade imobiliária. A diretora da Escola do Legislativo, vereadora Silvia Morales (PV), do mandato coletivo A Cidade É Sua, foi quem abriu os trabalhos.

De acordo com Rui, em Piracicaba, o território ocupado pela zona urbana é de cerca de 16,94% do solo, isto é, 233,36 quilômetros quadrados da área total de 1.376,91 quilômetros quadrados. Já a ocupação em parcelamentos ou condomínios urbanos é de mais de 180 núcleos informais urbanos consolidados ou não.

De acordo com o palestrante, o entendimento é de que o modelo de desenvolvimento percebido no país priorizou o desenvolvimento econômico urbano ao invés do rural. Com o desenvolvimento rural sustentável, o objetivo, segundo ele, "é propor a discussão do tema evidenciando as consequências sociais, culturais e ambientais que as dimensões do conceito de desenvolvimento, sob o viés econômico, causaram no meio rural".

Além disso, Rui ressaltou que é preciso compreender as tendências do desenvolvimento percebido no mundo e, em especial, no Brasil, algo essencial para refletir sobre as implicações do viés econômico no meio ambiente e na área rural.

Em um demonstrativo de dados, ele explicou que a área urbana ocupa em torno de 11% do território, a rural, 24% e a remanescente, 65%, entre reservas ambientais e hídricas. Na economia local, a produção de cana de açúcar ocupa hoje uma área 49.000 hectares, enquanto a área urbana ocupa 23.336 hectares. "Logo, a área ocupada com cana de açúcar é o dobro da área urbana ocupada", comparou.

Rui apontou que, enquanto o Direito busca dado segundo o critério de justiça, a Ciência Econômica se ocupa do dilema da escassez e da necessidade de eficiência no uso dos recursos produtivos. "Justiça e eficiência são metades da mesma verdade que se sobrepõem alternadamente ou se complementam ordenadamente, mormente, segundo a visão determinista de Karl Marx", pontuou.

Para ele, é preciso entender que, a depender do ponto de partida, se chega-se a lugares distintos, e ao Estado cabe criar uma sociedade mais justa, corrigindo os problemas, com o sistema tributário podendo auxiliar nisso. "Como não há maneira de impedir distorções, deve-se procurar a segunda melhor situação possível, havendo distorções mínimas, arrecadando o maior imposto possível com o mínimo de perda de eficiência alocativa. Isto é, diminuir perda de produção, perda de demanda e perda de geração de renda", explicou.



Texto:  Pedro Paulo Martins
Supervisão:  Rodrigo Alves - MTB 42.583
Revisão:  Ricardo Vasques - MTB 49.918


Escola do Legislativo Silvia Maria Morales

Notícias relacionadas