PIRACICABA, QUARTA-FEIRA, 12 DE AGOSTO DE 2020
Aumentar tamanho da letra
Página inicial  /  Webmail

03 DE JULHO DE 2020

Live explica qual o momento certo para realizar transição de carreira


Graziela Brizola, empresária e palestrante de liderança, detalhou como passar por esse processo de maneira saudável



EM PIRACICABA (SP)  

Salvar imagem em alta resolução

Especialista defendeu que é necessário planejamento para tomar decisão correta







Pensar em mudar de planos e seguir um novo objetivo de carreira parece decisão um tanto quanto difícil, não é verdade? Ainda mais no momento atual, com a pandemia do coronavírus, em que empresas estão sendo fechadas e pessoas dispensadas. Para detalhar mais sobre esse assunto, a empresária e palestrante de liderança, Graziela Brizola, participou da live no perfil Instagram do programa Parlamento Aberto, na tarde desta quinta-feira (2) e explicou como essa decisão pode ser feita de maneira saudável.

Formada em Mercado Internacional, Graziela contou que passou por essa transição, depois de estar há mais de 15 anos na profissão. “Eu viajava muito com o meu emprego e quase não vi os meus filhos crescerem. Foi então que comecei a perceber que mesmo estando numa carreira legal, aquilo não era exatamente o que queria para mim. Foi aí que eu parti para o âmbito de desenvolvimento humano e comecei a trabalhar com isso”, contou.

Porém, de acordo com ela, essa transição não foi rápida e levou três anos, sendo concluída agora, no início da pandemia. Ao contrário do que muitas pessoas realizam com o imediatismo, a profissional explicou que quando é tomada essa decisão, é necessário muito cuidado para não “jogar tudo pro alto” e sair de vez de uma carreira.

“Transição de carreira no momento errado é tiro no pé. O momento errado é justamente quando você não aguenta mais o emprego, os amigos de trabalho e acaba saindo. Quando chega nesse momento de cansaço é necessário que você se pergunte se realmente quer sair. Se sim, é necessário um planejamento de como vai sair de um para o outro”, explicou.

A profissional sugeriu dois caminhos caso a pessoa não consiga realizar isso sozinha ou não espere de um a dois anos para que isso aconteça: o primeiro é procurar um mentor que irá explicar os passos para esse planejamento correto. O outro é a terapia para que a pessoa possa se abrir e entender os motivos que a levaram a decidir a não querer mais o emprego. Com esse último, como citou Graziela, talvez a pessoa consiga ficar mais um tempo no local para assim fazer a transição de forma linear.

SINTOMAS - Para entender como a pessoa está se sentindo naquele local de trabalho e se é necessário mudança, a entrevistada orientou que se analise os sintomas que ela apresenta. “Pessoa desmotivada, às vezes sem entender o motivo, é um sintoma. Com isso, ela pode chegar em casa e desmotivar todos que estão em torno dela. Consequentemente sua qualidade e o rendimento caem”, contou.

Exemplos de pessoas que já não estão mais satisfeitas com o trabalho são aquelas que arrumam desculpas para não ir mais trabalhar e começam a levar atestados. Também aquelas que contam os dias para o final de semana chegar. Essas, como citou Graziela, já não lidam com o trabalho de forma saudável.

“Nós não percebemos, mas existem sim os processos psicológicos que ajudam a entender essas questões. Às vezes não é só trabalhar com o que gosta, mas sim não se enquadrar com as características daquele ambiente”, orientou.

Graziela explicou que isso faz parte da análise transacional, com estados do ego de Criança, Pai e Adulto. A Criança são pessoas que não gostam e não seguem regras, como horário por exemplo; o Adulto são pessoas que não fazem menos nem mais, fazem o necessário, e o Pai são pessoas que seguem muitas regras e andam na linha.

“Às vezes a pessoa está no perfil da criança, não gosta daquilo que ela está fazendo, mas ela gosta da profissão como um todo. Às vezes está num departamento e setor errado ou decidiu abrir empresa com aquilo que dá dinheiro e não pelo que gosta”, explicou.

Nesses casos, como reforçou a profissional, é necessário que o gestor entenda e tenha esse olhar sensível para o profissional para ver se ele está feliz, quais sintomas está dando conforme determinada função e se é a hora certa de mudar.

“Empresas multinacionais, por exemplo, às vezes abrem vagas para o público interno primeiro para que eles possam mudar de setor”, disse.

MENSURAR – Com foco nesse equilíbrio entre o trabalhador e funcionário para um dia a dia equilibrado e rentável, a especialista explicou que as empresas precisam mensurar, ou seja, ver o rendimento de cada funcionário dentro da empresa.

 "Às vezes achamos que um funcionário vale mais que o outro, porém ele só está tendo mais contato com o chefe e não necessariamente trabalhando mais. A empresa precisa mensurar e ver se está pagando o valor certo a cada funcionário", contou.

Isso também vale aos funcionários, que analisem se a empresa está reconhecendo seu trabalho. "Não podemos ter medo de sair de um local que não nos faz bem. É preciso que o funcionário veja se seu trabalho está sendo valorizado conforme seu currículo", orientou. 

AGORA É O MOMENTO CERTO? - Mas então agora seria o momento certo para fazer uma transição de carreira? Segundo a especialista, sim, "tendo em vista que nos grandes problemas surgem as grandes ideias", aponta. 

"O que estamos vivendo com a pandemia acabaram abrindo novas necessidades. Por exemplo, as áreas de saúde mental, planos de saúde, funerárias e alimentação cresceram muito. Então, é a hora de aproveitar esse momento e buscar novas oportunidades", sugeriu. 

Ela salientou que em momentos pandêmicos e epidêmicos o ser humano desenvolve muito o medo, por isso, orientou que as pessoas busquem grupos de terapia e leiam mais para que possam expandir seus pensamentos e olhar em outros planos a vida.

Para saber mais sobre a atuação da profissional, Graziela mantém as páginas "Escolhidos de Santiago" no Facebook e Instagram.

ACESSE O CONTEÚDO

As lives do programa Parlamento Aberto são realizadas no perfil do Instagram, que pode ser acessado em @parlamento_aberto.

As entrevistas também podem ser acessadas no canal do YouTube do Departamento de Comunicação da Câmara de Vereadores de Piracicaba e, ainda, no podcast produzido pela Rádio Câmara Web, que está anexado nesta matéria.

Para receber as informações do Parlamento Aberto direto no celular, é possível se cadastrar na lista de transmissão do Whatsapp neste link.



Texto:  Ana Caroline Lopes
Supervisão de Texto e Fotografia: Valéria Rodrigues - MTB 23.343
Revisão:  Erich Vallim Vicente - MTB 40.337


Câmara Cidadania Educação Saúde Parlamento Aberto Coronavírus

Notícias relacionadas