PIRACICABA, SEXTA-FEIRA, 24 DE SETEMBRO DE 2021
Aumentar tamanho da letra
Página inicial  /  Webmail

12 DE AGOSTO DE 2021

Consultora destaca protagonismo para enfrentar desafios da carreira


Em palestra na Escola do Legislativo, na tarde desta quinta-feira (12), Eni Santos ofereceu dicas para qualificar tomadas de decisões



EM PIRACICABA (SP)  

Eni Santos tem 25 anos de experiência como consulta em gestão de pessoas

Eni Santos tem 25 anos de experiência como consulta em gestão de pessoas

Eni Santos tem 25 anos de experiência como consulta em gestão de pessoas

Eni Santos tem 25 anos de experiência como consulta em gestão de pessoas
Salvar imagem em alta resolução

Eni Santos tem 25 anos de experiência como consulta em gestão de pessoas





As previsões sobre o mercado de trabalho nas próximas décadas são de um ambiente altamente automatizado, com o desaparecimento de metade das profissões atuais, e novas exigências das empresas, assim como uma nova cultura organizacional. Os desafios são grandes. Para a consultora em gestão de carreira, Eni Santos, só assumindo o protagonismo sobre as próprias escolhas é possível obter sucesso. 

“Essa questão do protagonismo é você dirigir sua própria trajetória e ao mesmo tempo ser protagonista dela”, disse, na tarde desta quinta-feira (12), durante a palestra “Autogestão da carreira”, oferecida na Escola do Legislativo “Antônio Carlos Danelon – Totó Danelon”, da Câmara Municipal de Piracicaba. O evento teve como mediador o assessor da EEP (Escola de Engenharia de Piracicaba), Evandro Mangueira. 

Com 25 anos de experiência área de gestão de pessoas, Eni relata que a carreira tem passado por grandes transformações nas últimas destacada, em que alguns conceitos antes tidos como imutáveis sendo transformados. “Antes, era comum pensar em algo mais linear, ou seja, começo em uma posição e vou trabalhar para alcançar o topo. Mas a contemporaneidade traz que não é obrigatório ser linear”, observa.

Novos paradigmas permeiam a gestão de carreiras. A também professora salienta que não é possível se apegar à ideia do “emprego para a vida toda” e que “nenhuma atividade está imune à automação", ao observar que, neste contexto, o protagonismo representa uma maneira de qualificar tomadas de decisões.

“Não dá para terceirizar responsabilidades”, pontua, ao informar que apenas 3% das empresas brasileiras, entre organizações privadas e públicas, contam com planos de carreira. “Atualmente, o que existem são planos de possibilidades, porém, a responsabilidade é nossa de nos adequarmos”, diz a consultora.

DICAS – Eni Santos oferece algumas dicas na hora de decidir sobre mudanças de carreira ou mesmo dentro da própria área de atuação. “Deve-se tomar cuidado com as escolhas com base emocional, tanto as que são pessimistas quanto aquelas que podem, inicialmente, refletir em certo otimismo”, avalia. A sugestão é buscar ser racional, “essa disposição evita uma série de problemas”.

Ela sugere apurar a capacidade de “ler o futuro”, o que representa se informar sobre tendências da própria profissão, mas também como áreas que estão em ascendência. “Isso contribui para fazermos adequações ao nosso conhecimento”, disse. 

A constante busca do conhecimento também contribui na capacidade de saber como decidir ao longo da carreira. “Eu posso ter que escolher no curto, no médio e no longo prazos, então é fundamental ter essa continuidade no decorrer do tempo”, esclarece. “Não pode parar de aprender, não existe algo que parou, já me formei, está tudo bem, as coisas mudam e exigem novas competências”, destaca.

A consultora atrela a busca de conhecimento como aspecto definidor na qualidade da performance na carreira. “Quanto mais diversidade isso aumenta o potencial de criatividade, porque você acaba dialogando com novas pessoas e tendo contato com novos temas e informações, o que sempre contribui para gerar insights”, destaca. 

No processo de aprendizado, Eni defende saber assumir erros como uma ferramenta de crescimento pessoal. “É fundamental, é fantástico para gerar conhecimento”, disse.

As dicas da profissional em gestão de carreira também dão conta da busca pelo autocuidado, “é importante cuidar da saúde física, mental e emocional”, destaca, assim como salienta que as carreiras devem ser guiadas pelos pontos fortes das pessoas. “Se eu sei quais eles são, automaticamente eu devo destaca-los”, ressalta.

Eni também tratou das chamadas competências comportamentais, ou “soft skills”, “que são ligadas às nossas atitudes”, disse, ao lembrar que devem andar juntas com as capacidades técnicas. “É fundamental ter empatia, algo que tem sido muito valorizado; assim como compaixão, onde você compreende desigualdades; ser capaz de se relacionar com as pessoas, assim como ter flexibilidade, ser maleável, e ter resiliência, saber se deparar com momentos que não serão sempre positivos”, argumenta.

ESCOLA DO LEGISLATIVO – Diretora da Escola do Legislativo, a vereadora Silvia Morales (PV), do mandato coletivo “A Cidade É Sua”, destacou que a palestra sobre autogestão de carreiras atende a formação do cidadão, estimular a participação popular e trazer diferentes debates dentro da Câmara. “Estamos recebendo várias demandas, de temáticas diferentes, e isso tem sido muito gratificante”, disse.

A íntegra da palestra está disponível no canal do Youtube da Escola.



Texto:  Erich Vallim Vicente - MTB 40.337
Supervisão:  Rodrigo Alves - MTB 42.583


Escola do Legislativo Silvia Maria Morales

Notícias relacionadas