PIRACICABA, SEXTA-FEIRA, 3 DE JULHO DE 2020
Aumentar tamanho da letra
Página inicial  /  Webmail

29 DE JUNHO DE 2020

Ações em comunicação reverteram crise e aproximaram Câmara e sociedade


Com apoio das Mesas Diretoras, gestão na área estimulou participação da população tendo como meta a promoção de "comunicação pública, transparente e dinâmica".



EM PIRACICABA (SP)  

Painel foi transmitido ao vivo na sexta feira, via Facebook e YouTube

Painel foi transmitido ao vivo na sexta feira, via Facebook e YouTube

A jornalista Valéria Rodrigues, diretora do Departamento de Comunicação da Câmara de Piracicaba

A jornalista Valéria Rodrigues, diretora do Departamento de Comunicação da Câmara de Piracicaba

O jornalista Sérgio Lerrer, fundador do portal Pro Legislativo

O jornalista Sérgio Lerrer, fundador do portal Pro Legislativo

A jornalista Taís Vargas, da Câmara de Vacaria

A jornalista Taís Vargas, da Câmara de Vacaria

O jornalista Filipi Oliveira, da Câmara de Curitiba

O jornalista Filipi Oliveira, da Câmara de Curitiba

Alison Souza, vice-presidente do Sindilegis

Alison Souza, vice-presidente do Sindilegis

Gaspar Bissolotti Neto, diretor da Fenale

Gaspar Bissolotti Neto, diretor da Fenale

Painel foi transmitido ao vivo na sexta feira, via Facebook e YouTube

Painel foi transmitido ao vivo na sexta feira, via Facebook e YouTube
Salvar imagem em alta resolução

Painel foi transmitido ao vivo na sexta feira, via Facebook e YouTube





De uma crise de imagem para um crescimento na participação popular, seja virtual ou presencialmente. Os resultados obtidos desde 2017 com as novas práticas de comunicação tornaram a Câmara de Vereadores de Piracicaba "case" entre os parlamentos municipais do país, a ponto de a experiência ter sido uma das escolhidas para o painel promovido pelo portal Pro Legislativo, em live no Facebook e no YouTube na última sexta-feira (26).

Ao lado das Câmaras de Curitiba (PR) e Vacaria (RS), a de Piracicaba, representada pela diretora do Departamento de Comunicação, Valéria Rodrigues, mostrou como o uso dos meios digitais foi importante no processo de ruptura ao modelo de gestão anterior, que atrelara ao Legislativo municipal "a imagem de um parlamento fechado, isolado, distante dos anseios sociais", como definiu a jornalista.

Valéria destacou que o plano posto em prática em julho de 2017, quando assumiu a chefia do departamento após seis anos como assessora parlamentar na Casa, teve como meta a "comunicação pública, transparente e dinâmica". O apoio das duas Mesas Diretoras que comandaram a Câmara no período —sob a presidência de Matheus Erler, entre 2017 e 2018, e de Gilmar Rotta, desde 2019— foi "fundamental" para o êxito da proposta, ressaltou.

Pós-graduanda em comunicação e transparência pública e gestão legislativa municipal, a jornalista lembrou que episódios como o fechamento das portas da Câmara em meio às manifestações de junho de 2013 contribuíram para "uma acelerada decadência de imagem perante a sociedade, fruto de decisões equivocadas", e levaram a um "caso típico e necessário de gestão de crise de comunicação".

Coube, então, a adoção de práticas que recuperassem a credibilidade posta em xeque. "Para se gerir uma crise de comunicação, é preciso alterar radicalmente comportamentos", conceituou Valéria. "Naquele momento, as redes sociais já impunham sua forma para propagação e potencialização desses equívocos. Com o diálogo absolutamente trancado, bloqueado, a Câmara ignorava suas falhas de relacionamento com a sociedade."

A disposição do comando das Mesas Diretoras de abrir o Legislativo à população, aliado ao acompanhamento sistemático dos índices de transparência da Casa feito desde aquela época pelo Observatório Cidadão de Piracicaba, configurou, segundo Valéria, uma "junção de oportunidades que trouxe a ideia de governo aberto para a Câmara", refletindo no projeto que culminou com a efetivação do programa Parlamento Aberto, consolidado em lei de 2019.

"Levamos às redes e aos canais de comunicação da Casa um volume de informações muito significativo sobre o seu funcionamento", comentou a jornalista. E o resultado pôde ser medido no alcance do trabalho: "O uso estratégico das ferramentas digitais, das redes sociais, do canal de WhatsApp, do perfil do Parlamento Aberto criado no Instagram e dos canais do Departamento de Comunicação no Youtube fez crescer em 118%, de 2018 para 2019, o acesso ao nosso site, canal digital escolhido para ser potencializado pelas redes sociais".

A opção em direcionar ao portal o engajamento obtido em outros meios digitais, explicou a jornalista, visa "continuar atraindo o internauta ao ambiente do site da Câmara e não esgotando a relação na rede social pela qual o cidadão teve contato com a Casa, porque é no site que conseguimos perseguir, no aspecto da comunicação, os objetivos do Parlamento Aberto".

"Ali está a origem do que será propagado nas redes: a cobertura da fala do cidadão que ocupou a Tribuna Popular; o conteúdo didático que ensina como participar de uma audiência pública e como a população pode apresentar um projeto de iniciativa popular; e todo o conteúdo da atuação dos vereadores, com todos os critérios que não conotem promoção pessoal, das atividades parlamentares originadas em proposituras", completou.

O planejamento a curto, médio e longo prazos, salientou Valéria, foi determinante para fazer as ideias saírem do papel. "Sempre gostei de trabalhar, em todos os locais em que estive, apresentando projetos, porque acredito que, quando é estruturado em cima de um diagnóstico e convincente sobre metas e objetivos, há maior facilidade de angariar um apoio político."

Para a gestora, "não há mais como retroagir" nos fundamentos estabelecidos pelo trabalho de comunicação da Câmara, com a ampliação do acesso da sociedade às informações sobre as atividades e o funcionamento da Casa. "A transparência pública, além de estar prevista em lei, tem que ser vista como prática cotidiana. Não há como retroceder nesse processo, cometerá uma falha grande qualquer Câmara que tentar voltar."

Mediador do painel, o jornalista Sérgio Lerrer elogiou o projeto que deu origem ao programa Parlamento Aberto, por ter conseguido "driblar uma estrutura que se formou no passado". "É uma ação que em tese começa de modo paralelo, tem sua dinâmica própria e vai contaminando, no aspecto positivo e de forma transversal, a vereadores, imprensa e cidadãos, fazendo uma rede de suporte cada vez maior", comentou o fundador do portal Pro Legislativo.

O jornalista Filipi Oliveira comentou o investimento da Câmara de Curitiba na transmissão das licitações que promove, no uso das redes sociais e no emprego de elementos lúdicos para tornar o conteúdo mais acessível à população. A também jornalista Taís Vargas, do Legislativo de Vacaria, contou como a TV Câmara local saiu do papel, graças ao esforço de servidores e ao apoio dos vereadores.

Alison Souza, vice-presidente do Sindilegis (Sindicato dos Servidores do Poder Legislativo Federal e do Tribunal de Contas da União), e Gaspar Bissolotti Neto, diretor da Fenale (Federação Nacional dos Servidores dos Poderes Legislativos Federal, Estaduais e do Distrito Federal), também participaram da live.



Texto:  Ricardo Vasques - MTB 49.918
Supervisão de Texto e Fotografia: Valéria Rodrigues - MTB 23.343


Câmara

Notícias relacionadas