PIRACICABA, SÁBADO, 29 DE JANEIRO DE 2022
Aumentar tamanho da letra
Página inicial  /  Webmail

03 DE AGOSTO DE 2021

PLC do Executivo compatibiliza regra de coleta de lixo com lei federal


Propositura deu entrada segunda-feira (2) e Mesa Diretora demonstra preocupação sobre o aumento de custos à população na pandemia



EM PIRACICABA (SP)  

Foto: Guilherme Leite - MTB 21.401 (1 de 5) Salvar imagem em alta resolução

Projeto de lei complementar 9/2021, do Executivo, deu entrada nesta segunda-feira (2)

Projeto de lei complementar 9/2021, do Executivo, deu entrada nesta segunda-feira (2)
Foto: Fabrice Desmonts - MTB 22.946 (2 de 5) Salvar imagem em alta resolução

PLC 9/2021 foi discutido entre vereadores e representantes da Prefeitura

PLC 9/2021 foi discutido entre vereadores e representantes da Prefeitura
Foto: Fabrice Desmonts - MTB 22.946 (3 de 5) Salvar imagem em alta resolução

PLC 9/2021 foi discutido entre vereadores e representantes da Prefeitura

PLC 9/2021 foi discutido entre vereadores e representantes da Prefeitura
Foto: Fabrice Desmonts - MTB 22.946 (4 de 5) Salvar imagem em alta resolução

PLC 9/2021 foi discutido entre vereadores e representantes da Prefeitura

PLC 9/2021 foi discutido entre vereadores e representantes da Prefeitura
Foto: Fabrice Desmonts - MTB 22.946 (5 de 5) Salvar imagem em alta resolução

PLC 9/2021 foi discutido entre vereadores e representantes da Prefeitura

PLC 9/2021 foi discutido entre vereadores e representantes da Prefeitura
Foto: Fabrice Desmonts - MTB 22.946 Salvar imagem em alta resolução

PLC 9/2021 foi discutido entre vereadores e representantes da Prefeitura



Com o objetivo de compatibilizar as regras de coleta de lixo com a Lei Federal 14.026/2020, que trata do saneamento básico, o Executivo encaminhou à Câmara Municipal de Piracicaba o projeto de lei complementar 9/2021. A propositura deu entrada na Casa durante a 19ª reunião ordinária, segunda-feira (2), e agora tramitará pelas comissões internas antes de ir à votação.

O teor do projeto motivou uma reunião da Mesa Diretora da Câmara com membros do Executivo, na tarde desta segunda-feira. A preocupação é que a proposta irá gerar aumento de custos à população em um momento que a economia ainda se recupera por conta do impacto da pandemia.

Na sala da presidência da Câmara, estiveram o secretário de Governo, Carlos Beltrame, o procurador-geral do município, Fábio Dionísio, a assessora do gabinete do prefeito, Juliana Baccarin, e a chefe da Divisão de Resíduos Sólidos, Celise Romanini.

A reunião teve a presença dos vereadores que compõem a Mesa Diretora, que além de Gilmar Rotta na presidência, tem Acácio Godoy (PP) como vice-presidente; Ana Pavão (PL) como primeira-secretária; Pedro Kawai (PSDB) como segundo-secretário; Thiago Ribeiro (PSC) como suplente da vice-presidência; e Alessandra Bellucci (Republicanos), suplente da segunda-secretaria. Também participou o líder do governo na Câmara, Zezinho Pereira (Democrata).

Com a nova legislação em vigor, os valores para usos comercial e industrial passariam de R$ 523,55 para R$ 674,88 (coleta e remoção do lixo diária) e de R$ 349,03 para R$ 449,92 (coleta e remoção do lixo alternada).

Além disso, as cobranças passariam de R$ 261,78 para R$ 337,44 (coleta e remoção diária) e de R$ 174,52 para R$ 224,96 (alternada) para uso residencial, misto, territorial, de templos religiosos, entidades recreativas, desportivas, sociais, filosóficas, culturais, clubes de serviço e cemitérios sem fins lucrativos.

A base de cálculo utilizada pela prefeitura tem como referência entre janeiro e dezembro de 2020, quando os custos estimados dos serviços foram de R$ 55.303.132,25, referentes ao que foi pago pelo Executivo à empresa Ambiental, responsável pela concessão do serviço na cidade. A estimativa da prefeitura é que a cidade tenha 210 mil imóveis em 2022.

CONTRAPARTIDA – O presidente da Câmara, Gilmar Rotta, defende que o Executivo apresente uma contrapartida em relação aos custos gerados para a população. Embora o chefe do Legislativo entenda que a alteração e elevação dos valores estejam condicionadas à mudança da lei federal, ele cobra da Prefeitura a introdução do Refis, para refinanciamento de dívidas.

Rotta é autor do projeto de lei complementar 1/2021, aprovado na Câmara para criar “Sistema de Facilitação Tributária no Município”, mas vetado pelo Executivo. Em 18 de maio, o Legislativo acatou o veto, mas pediu diálogo a respeito de incentivos fiscais com o objetivo de criar opções de financiamento para quem convive com dificuldade financeira por conta da pandemia.

Durante a reunião de segunda-feira (2), Rotta também reclamou do curto período para apreciação do PLC 9/2021. “O projeto entrou hoje e tem que ser votado até dia 10 do mês que vem, tivemos uma reunião com o Executivo, que irá conversar com os vereadores, mas temos um prazo menor de 30 dias para votar, então não venham falar que o projeto ficou ‘pendurado’ aqui”, disse.

Primeira-secretária da Mesa Diretora, a vereadora Ana Pavão (PL) externou sua preocupação em relação à propositura de mudança nas regras de coleta de lixo e que irá gerar novos custos à população. “Nós conversamos com o secretário do Meio Ambiente em 2 de junho sobre essa questão e gostaria de lembrar que este aumento é resultado de uma decisão presidencial”, destacou.

Após a entrada na 19ª reunião ordinária, o Departamento Legislativo da Câmara remeteu o projeto – já nesta terça-feira (3) – à CLJR (Comissão de Legislação, Justiça e Redação) para emissão de parecer.



Texto:  Erich Vallim Vicente - MTB 40.337
Supervisão:  Rodrigo Alves - MTB 42.583


Legislativo André Bandeira Ary Pedroso Jr Laércio Trevisan Jr Gilmar Rotta Paulo Camolesi Paulo Campos Pedro Kawai Rerlison Rezende Aldisa Marques Wagner Oliveira Zezinho Pereira Cassio Luiz Alessandra Bellucci Acácio Godoy Ana Pavão Josef Borges Thiago Ribeiro Gustavo Pompeo Rai de Almeida Anilton Rissato Fabricio Polezi Silvia Maria Morales

Notícias relacionadas