PIRACICABA, QUINTA-FEIRA, 13 DE AGOSTO DE 2020
Aumentar tamanho da letra
Página inicial  /  Webmail

07 DE JULHO DE 2020

Profissionais da saúde enfrentam risco diário de contágio ao Covid-19


Presidente da APM Regional Piracicaba, Ricardo Tedeschi falou sobre os desafios e angústias dos profissionais da linha de frente na live do Parlamento Aberto.



EM PIRACICABA (SP)  

Salvar imagem em alta resolução

O médico participou da live desta segunda-feira (6)







“É muito duro chegar em casa, sua filha vir te abraçar e você pedir para ela não abraçar porque você ainda precisa tirar a máscara, a roupa, tomar um banho, para só depois poder ter contato com o filho, pedindo a Deus que você não esteja levando o vírus para sua família”, disse o presidente da APM (Associação Paulista de Medicina) Regional Piracicaba, Ricardo Tedeschi, durante a live de segunda-feira (6) do programa Parlamento Aberto.

Na oportunidade, ele relatou desafios no atendimento de pacientes com Covid-19 e nos cuidados com população e profissionais que estão na linha de frente do combate ao novo coronavírus, dentre eles a exposição ao vírus. "Até o momento de desparamentação, isto é, de retirada dos equipamentos para a proteção do Covid-19, de acordo com as prerrogativas do Ministério da Saúde, é um período de risco de contaminação.

Tedeschi lembrou, ainda, da complexidade de cada procedimento para ações do dia-a-dia do profissional. “Às vezes, fica horas sem poder tirar essa roupa de proteção, e isso impede que possa usar o banheiro ou tomar um copo de água e, na hora que ele vai tirar esse equipamento, ainda corre o risco de se contaminar”, comentou o médico.

Para evitar o contágio do novo coronavírus foram tomadas medidas gerais na área médica. Tedeschi citou as ações de determinação como o uso de máscaras, diminuição do número de pacientes em consultórios, interrupção nas cirurgias eletivas e a delimitação de áreas específicas para o atendimento de pacientes contaminados pelo Covid-19. Em relação ao profissionais da linha de frente, foi estabelecido um padrão de equipamentos para o combate à doença e de protocolos de atendimento aos pacientes.

O médico também apontou como um meio de prevenção ao contágio do novo coronavírus a telemedicina, o atendimento de pacientes de forma remota.

Mesmo com as medidas de proteção, o médico disse que a contaminação de profissionais da Saúde é uma realidade. “Nós tivemos profissionais que faleceram no Estado e aqui em Piracicaba. E eu ainda tenho colegas que estão hospitalizados”, comentou.

Neste sentido, o presidente da APM Piracicaba lembrou que a contaminação de profissionais da saúde pode ocasionar ausência de pessoas aptas para o atendimento de pacientes com o novo coronavírus. "No Brasil, ele explicou, não existiu esta situação, presenciada em outros países, contudo, houve períodos em que profissionais precisaram ocupar turnos de até 36 horas para atender a demanda dos profissionais que foram afastados em decorrência do novo coronavírus", apontou.

O perigo com falta de profissionais foi vivenciado em situações de epidemia do vírus em lares de acolhimento de idosos, lembrou. No entanto, Tedeschi salientou que as ações tomadas pela Prefeitura de Piracicaba, como o atendimento in loco, evitaram um número maior de óbitos.

Enquanto representante da APM Piracicaba, Tedeschi também detalhou as ações tomadas pela associação desde o início da pandemia. Ele explicou que a associação passou por grandes dificuldades no início em relação à adequação nesta nova realidade e a tomada de ações para orientação dos médicos de forma a enfatizar o caráter urgente da situação, visto que, segundo ele, houve politização dos assuntos voltados a pandemia do novo coronavírus.

“Foi um desafio enorme tirar essa veste política e orientar os médicos a se concentrarem no que realmente precisávamos: na saúde e segurança dos pacientes, na saúde e segurança dos profissionais da saúde, além de buscar, junto com o poder público, otimizar a estrutura das instituições médicas”, disse Tedeschi.

Com o intuito de orientar os profissionais da saúde, a APM implementou gabinete de crise e um canal de contato direto com os profissionais, com o envio de boletins epidemiológicos e de estatística diários, além da criação de grupos de whatsapp e envio de e-mails com informes técnicos. Além disso, a associação se conecta também com as sedes regionais de cidades próximas de forma remota, por meio de reuniões em aplicativos.

Em Piracicaba, o médico explicou que a associação estabeleceu contato direto com a Secretaria da Saúde e com a Vigilância Epidemiológica. Desse modo, a instituição engajou-se na transmissão das orientações voltadas à pandemia do novo coronavírus, como a medida de isolamento social, uso de máscara e importância da higienização das mãos.

No processo de conscientização dos profissionais, Tedeschi destacou a proliferação de notícias falsas como fator que dificultou a disseminação de informação para população e para os profissionais da área médica. “Infelizmente, houve, e ainda há, muita desinformação, muitas notícias que não tem respaldo científico, muitas fake news. A sociedade está sofrendo disso e nós, da associação, tivemos que filtrar”, comentou Tedeschi.

Em relação à perspectiva de uma vacina contra a Covid-19, o médico explicou que há cerca de 130 projetos de pesquisa em andamento, sendo que cerca de 12 ou 13 estão em fase adiantada. No Brasil, segundo Tedeschi, haverá a entrada de duas vacinas, uma chinesa e outra da Universidade de Oxford (Inglaterra).

Na fase de testagem, haverá um protocolo de inscrição de cerca de nove mil profissionais de saúde. Se todos os parâmetros exigidos pelo protocolo de vacinação forem confirmados, de acordo com o médico, há probabilidades de existir uma vacina em meados de 2021. Ele disse ainda que, segundo o Governo Federal, foi encomendado primeiro lote de vacinas com 60 milhões de doses, que serão destinadas às pessoas do grupo de risco e profissionais da área da saúde.

Ao fim da live, Ricardo Tedeschi deixou uma mensagem aos profissionais da Saúde. “Nós estamos juntos, unidos vamos superar. Muitos de nós estão adoecendo, alguns infelizmente não vão sobreviver, mas nós estamos em uma guerra e, nesse momento, nós, profissionais da saúde, somos o anjo da guarda da sociedade”, disse o médico.

ACESSE O CONTEÚDO!

As lives do programa Parlamento Aberto são realizadas no perfil do Instagram, que pode ser acessado em @parlamento_aberto.

As entrevistas também podem ser acessadas no canal do YouTube do Departamento de Comunicação da Câmara de Vereadores de Piracicaba e, ainda, no podcast produzido pela Rádio Câmara Web, que está anexado nesta matéria.

Para receber as informações do Parlamento Aberto direto no celular, é possível se cadastrar na lista de transmissão do Whatsapp neste link.



Texto:  Larissa Souza
Supervisão de Texto e Fotografia: Valéria Rodrigues - MTB 23.343
Revisão:  Erich Vallim Vicente - MTB 40.337


Saúde Parlamento Aberto Coronavírus

Notícias relacionadas