PIRACICABA, DOMINGO, 27 DE SETEMBRO DE 2020
Aumentar tamanho da letra
Página inicial  /  Webmail

22 DE JULHO DE 2020

Para conciliador, comunicação não violenta requer autoconhecimento


Osmar Ventris falou sobre comunicação não violenta em palestra promovida pela Escola do Legislativo da Câmara de Vereadores de Piracicaba



EM PIRACICABA (SP)  

Salvar imagem em alta resolução

Aula foi transmitida on-line, na tarde desta quarta-feira (22)





A comunicação não violenta para construção de uma cultura de paz foi abordada em palestra com o advogado e conciliador Osmar Ventris, na tarde desta quarta-feira (22). Na palestra "Justiça Restaurativa para nossos tempos – Comunicação não violenta", Ventris deu destaque à identificação das necessidades para a construção de uma comunicação não violenta.

Para o advogado, que também atua como facilitador em processos de cultura de paz mediante técnicas de justiça restaurativa, a sociedade precisa de uma cultura de paz que propicie qualidade de vida e também que possa trabalhar para melhorar nossos relacionamentos. “Violências produzidas são frutos da comunicação e mesmo assim nós não aprendemos a nos comunicar”, afirmou.

Osmar Ventris explicou, durante a palestra realizada on-line, que a comunicação não violenta requer dois eixos fundamentais: a empatia e a autenticidade. Para ele, o conflito é muito importante porque vai indicar uma necessidade que precisa ser resolvida e o objetivo é criar uma conexão para identificar essas necessidades.

"A comunicação não violenta necessita de uma autoanálise e de um autoconhecimento", afirmou o conciliador que pontuou que ainda não temos a cultura para identificar as nossas necessidades. Ele também pontuou que os atos são estratégias para atender essas necessidades e quando uma pessoa é violenta na verdade é uma estratégia para atender a uma necessidade. "O sentimento é uma necessidade não atendida”, explicou.

Os passos para se alcançar a comunicação não violenta, segundo o advogado, são a observação, os sentimentos, as necessidades e os pedidos. “A comunicação não violenta requer um autoconhecimento e o domínio de uma técnica de conversação”, concluiu.  

A palestra "Justiça Restaurativa para nossos tempos – Comunicação não violenta" foi transmitida ao vivo pela plataforma Zoom e simultaneamente pelo Youtube da Escola do Legislativo da Câmara de Vereadores de Piracicaba. A mediação foi da vereadora Nancy Thame (PV), diretora da Escola, que também convidou os participantes da palestra para assistir aos diversos cursos disponíveis no Canal do Youtube da Escola do Legislativo



Texto:  Daniela Teixeira - MTB 61.891
Supervisão de Texto e Fotografia: Valéria Rodrigues - MTB 23.343


Escola do Legislativo Nancy Thame

Notícias relacionadas