PIRACICABA, SÁBADO, 13 DE AGOSTO DE 2022
Aumentar tamanho da letra
Página inicial  /  Webmail

28 DE JUNHO DE 2022

Na Tribuna, músico reivindica flexibilização da Lei do Silêncio


"Não deixem o samba morrer, não deixem o samba acabar”, solicitou o músico Juca Ferreira



EM PIRACICABA (SP)  

Foto: Fabrice Desmonts - MTB 22.946 Salvar imagem em alta resolução

Walter Sampaio Bueno Ferreira Júnior, o Juca Ferreira, defendeu, no discurso, que o entretenimento e a cultura é um dos setores que mais empregam e movimentam a economia






Mais uma vez, a polêmica que envolve a Lei do Silêncio em Piracicaba foi tema da Tribuna Popular durante a sessão camarária. Na 28ª reunião ordinária desta segunda-feira (27), a questão foi abordada pelo orador Walter Sampaio Bueno Ferreira Júnior, conhecido no meio artístico como Juca Ferreira. Ele defendeu, no discurso, que entre os setores que mais empregam e movimentam a economia no País, estão os de entretenimento e cultura.

O músico lembrou ainda que o segmento foi o que mais sofreu com a pandemia. “A impressão que tenho é que não existem iniciativas que valorizem o nosso setor. Tínhamos alguns projetos na cidade como a Movimentação Cultural e o Som do Meio Dia e outros. O que aconteceu com esses projetos? Acabaram?”, questionou. "O que ouço da sociedade é: ao invés de investir nesse setor, por que não se investe em saúde? Mas já é comprovado que, quando se investe em cultura e entretenimento, o retorno é infinitamente maior".

Ele lembrou que a cidade possui espaços que poderiam ser explorados pelo setor, com iniciativas de inclusão cultural, como a praça Boyes. No entanto, houve um impedimento de realização de feira cultural no espaço, sem explicação.

Para o orador, é necessária uma revisão da Lei do Silêncio. “A referida lei garante o direito de um lado e cria empecilhos de outros. Leis precisam ser criadas para respeitarmos os limites de cada um”, afirmou. “Comerciantes e músicos tiram o sustento de seus ofícios por meio da música. Uma parcela de nossa sociedade acaba sendo prejudicada e por isso pedimos a flexibilização da Lei do Silêncio a fim de garantir empregos e nossas tradições. Não deixem o samba morrer, não deixem o samba acabar”.



Texto:  Aline Macário - MTB - 39.904
Supervisão:  Rodrigo Alves - MTB 42.583
Imagens de TV:  TV Câmara


Tribuna Popular

Notícias relacionadas