PIRACICABA, SEGUNDA-FEIRA, 13 DE JULHO DE 2020
Aumentar tamanho da letra
Página inicial  /  Webmail

28 DE MAIO DE 2020

Justiça restaurativa como alternativa à punição é abordada em palestra


Advogado e facilitador em processos de cultura de paz participou de live promovida pela Escola do Legislativo



EM PIRACICABA (SP)  

Salvar imagem em alta resolução

Live foi transmitida no Instagram da Escola do Legislativo



Justiça restaurativa não é definida somente como a resolução de conflitos, mas também como dar voz, ouvir e se conectar com o sentimento da pessoa, com uma conduta e atitude restaurativa. O jornalista e advogado Osmar Ventris deu essa definição e falou sobre os diversos aspectos da justiça restaurativa na palestra "Justiça Restaurativa na prática em ambiente escolar", promovida pela Escola do Legislativo da Câmara de Vereadores de Piracicaba.

A palestra foi transmitida na tarde desta quinta-feira (28), em formato de live, no Instagram da Escola do Legislativo e teve mediação e apresentação da vereadora Nancy Thame (PV), diretora da Escola, que classificou a palestra como uma "aula-live".

O advogado, que também é consultor e facilitador em processos de cultura de paz mediante técnicas de justiça restaurativa, afirmou que "trabalhamos com a punição" sem ouvir a causa e a pessoa diretamente. Para ele, a punição é uma forma de excluir a pessoa, não se envolver com o problema e escondê-lo para debaixo do tapete. Segundo ele, “infelizmente é o que o judiciário faz”.

O palestrante explicou que o judiciário trabalha em cima do fato, analisa que lei foi ferida, aplica a punição, mas não resolve o problema porque não foi atrás da causa. Como exemplo, ele observou que muitas vezes o agressor desrespeita a medida protetiva aplicada pela Lei Maria da Penha porque a medida não analisa a causa para eliminar o problema e evitar que ocorra o crime novamente.

AMBIENTE ESCOLAR - Segundo Osmar Ventris, a aplicação de técnicas de justiça restaurativa nas escolas começou nos Estados Unidos e já ocorreram várias experiências no Brasil. Ele relatou que nas escolas que a experiência deu certo os alunos, pais, professores, diretores e coordenadores tiveram palestras e cursos que explicavam o que é justiça restaurativa, adotaram condutas restaurativas dentro da sala de aula e mudaram o comportamento. “A justiça restaurativa é ação, não é uma teoria e nem um método para solucionar conflito quando precisa. A justiça restaurativa é para ser vivida”, afirmou.

Para que a justiça restaurativa chegue às escolas, o advogado explicou que é importante que o Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente (CMDCA), orgão responsável por politicas públicas pró criança e adolescente, se mobilize e realize uma parceria com a Secretaria da Educação. Segundo ele, o CMDCA tem competência legal e fundos para investir na capacitação de professores, alunos, ONGs que trabalham com crianças e adolescentes e pessoas da sociedade civil. E a Secretaria da Educação pode completar a parceria convocando ou convidando professores e coordenadores de ensino para que essa política seja inserida no ambiente escolar.

MEDIAÇÃO DE CONFLITOS – Ao responder uma questão sobre a diferença entre justiça restaurativa e mediação de conflitos, Osmar Ventris afirmou que a justiça restaurativa é bem mais ampla que a mediação de conflitos. Ele esclareceu que a mediação visa resolver o problema em si e chegar num acordo sobre ele, enquanto o processo restaurativo vai tentar resolver o problema através da conscientização da parte que o provocou para reparar o dano causado.



Texto:  Daniela Teixeira - MTB 61.891
Supervisão de Texto e Fotografia: Valéria Rodrigues - MTB 23.343


Escola do Legislativo Nancy Thame

Notícias relacionadas