PIRACICABA, QUARTA-FEIRA, 12 DE AGOSTO DE 2020
Aumentar tamanho da letra
Página inicial  /  Webmail

31 DE JULHO DE 2020

Infectologista alerta a população para prevenção das hepatites virais


Moisés Taglieta, infectologista e coordenador do Centro de Doenças Infecto Contagiosas, participou de live nesta quarta-feira (29), no Instagram do Parlamento Aberto.



EM PIRACICABA (SP)  

Foto: Fabrice Desmonts - MTB 22.946 Salvar imagem em alta resolução




A conscientização sobre prevenção, diagnóstico e tratamento das hepatites virais, marcadas pela campanha Julho Amarelo, foi tema de live nesta quarta-feira (29), no Instagram do Parlamento Aberto. O infectologista e coordenador do Cedic (Centro de Doenças Infecto Contagiosas), Moisés Taglieta, falou sobre as doenças que causam desde quadros leves com poucos ou nenhum sintoma, até formas agudas graves fulminantes.

Os tipos mais comuns no Brasil são as hepatites A, B e C, sendo que as duas últimas costumam se manifestar sem sinais e sintomas, até atingir maior gravidade. Atualmente, o país é signatário da estratégia global para eliminação das hepatites virais como problema de saúde pública até o ano de 2030.

De acordo com Taglieta, o maior número de casos entre a população de Piracicaba é de hepatite B. Além de uma doença infecciosa que agride o fígado, a hepatite B também é classificada como uma infecção sexualmente transmissível. “Sua transmissão se dá por meio de relações sexuais sem preservativo, compartilhamento de material para uso de drogas (seringas, agulhas, cachimbos) e materiais de higiene pessoal (lâminas de barbear e depilar, escovas de dente, alicates de unha) e na confecção de tatuagem e procedimentos que não atendam às normas de segurança”, explicou o infectologista.

A melhor forma e a mais eficaz de se prevenir contra a Hepatite B, ainda é, segundo ele, por meio das três doses de vacinação disponíveis gratuitamente nos postos de saúde. “Com sorte, teremos uma próxima geração livre da hepatite B. O país assumiu o compromisso de aplicar a vacina ainda nas 12 primeiras horas de vida da criança. A segunda dose deve ser ministrada após 30 dias da aplicação da primeira e a terceira, seis meses após a primeira”, especificou.

Já a hepatite A, também conhecida como “hepatite infecciosa”, é, na maioria dos casos, uma doença de caráter benigno; contudo, o curso sintomático e a letalidade aumentam conforme a idade. A transmissão dessa hepatite é fecal-oral (contato de fezes com a boca) e tem grande relação com alimentos ou água não seguros, baixos níveis de saneamento básico e de higiene pessoal.

O diagnóstico da infecção é realizado por exame de sangue, Não há nenhum tratamento específico para hepatite A, neste caso, o paciente deverá ser acompanhado por um profissional da saúde.

A hepatite C é doença de caráter silencioso, que evolui sorrateiramente e se caracteriza por um processo inflamatório persistente no fígado. Aproximadamente 60% a 85% dos casos se tronam crônicos e, em média, 20% evoluem para cirrose ao longo do tempo.

A transmissão se dá, principalmente, no contato com sangue contaminado, pelo compartilhamento de agulhas, seringas e outros objetos para uso de drogas, falha de esterilização de equipamentos de manicure, reutilização de material para realização de tatuagem, procedimentos invasivos e, até mesmo, por meio de relações sexuais, sendo a última menos comum.

“É uma doença silenciosa, com progressão lenta. Em geral, a hepatite C é descoberta em sua fase crônica. O diagnóstico ocorre após teste rápido de rotina ou por doação de sangue, o que reitera a importância da realização dos testes rápidos “, alertou o infectologista.

Os principais sintomas das doenças são febre, dor no corpo, náuseas, vômito, pele e olhos amarelados e urina escura. Após a identificação dos sinais, o paciente deve procurar a Unidades Básicas de Saúde.

“O uso efetivo das vacinas, assim como o diagnóstico precoce e a conscientização das pessoas, garantirão a eliminação das hepatites até 2030”, ressaltou.

JULHO AMARELO - Pioneira no trabalho de conscientização e prevenção às hepatites virais, Piracicaba recebeu neste mês as ações do "Julho Amarelo”, desenvolvidas por meio de força-tarefa entre a Câmara de Vereadores de Piracicaba, Caphiv (Centro de Apoio HIV/Aids e Hepatites Virais) e Secretaria Municipal de Saúde.

Em função da pandemia os órgãos intensificaram a campanha por meio de vídeos, fotos e cartazes que alertam sobre a importância dos testes gratuitos oferecidos no município. Além das unidades de saúde do município, o Caphiv oferece gratuitamente testes para HIV, sífilis e hepatites virais (todos de forma sigilosa) e conta com suporte de psicóloga, assistentes sociais e da enfermeira responsável Fernanda Tonin, na sede dos projetos Não Viralize a Ignorância – Conheça e Prevenção na Quebrada (rua Jorge Zohlner, 322, bairro Morumbi). Neste caso, o agendamento deve ser feito pelos telefones 4102-3389 e 98722-7079.

ACESSE O CONTEÚDO
As lives do programa Parlamento Aberto são realizadas no perfil do Instagram, que pode ser acessado em @parlamento_aberto.

As entrevistas também podem ser acessadas no canal do YouTube do Departamento de Comunicação da Câmara de Vereadores de Piracicaba e, ainda, no podcast produzido pela Rádio Câmara Web.

Para receber as informações do Parlamento Aberto direto no celular, é possível se cadastrar na lista de transmissão do Whatsapp neste link.



Texto:  Raquel Soares
Supervisão de Texto e Fotografia: Valéria Rodrigues - MTB 23.343
Revisão:  Erich Vallim Vicente - MTB 40.337


Saúde Parlamento Aberto

Notícias relacionadas