PIRACICABA, TERÇA-FEIRA, 22 DE SETEMBRO DE 2020
Aumentar tamanho da letra
Página inicial  /  Webmail

01 DE SETEMBRO DE 2020

Em live, missionário relata experiência em comunidades indígenas


Pastor presbiteriano Sérgio Paulo Martins é um dos diretores da Missão Evangélica Caiuá, em Dourados (MS)



EM PIRACICABA (SP)  

Salvar imagem em alta resolução

Missionário Sérgio Martins participou de live do Programa Parlamento Aberto, nesta segunda-feira (31)







A experiência de um missionário com os povos nativos do Brasil, da Guiana Francesa, Timor Leste e países da África foi contada pelo pastor presbiteriano Sérgio Paulo Martins, em live do Programa Parlamento Aberto, nesta segunda-feira (31). Sérgio Martins trabalha como missionário nas comunidades nativas (indígenas) há mais de 40 anos e hoje é um dos diretores da Missão Evangélica Caiuá, em Dourados (MS). O local sedia o único hospital do mundo que trata exclusivamente da saúde indígena.

Ao relatar o treinamento dos missionários para trabalhar com os povos indígenas, o entrevistado afirmou que “preservar a língua é preservar a cultura”. De acordo com Sérgio Martins, os missionários são treinados a aprender na língua foneticamente, linguisticamente para então aprender a língua grafada. “Grafando a língua você grafa também as questões culturais, as histórias pela grafia. Muitas dessas línguas não são grafadas”, explicou. O pastor também explicou que o trabalho realizado pelos missionários não é impositivo, já que a bíblia é traduzida para língua do nativo e ele só lê, aprende ou vira cristão se desejar. “Há casos que estamos atuando há mais de 40, 50 anos no grupo deles e não tem nenhum cristão. E nem por isso deixamos de estar lá”, afirmou.

Segundo o missionário, as diferenças dos povos indígenas com o restante da população envolvem questões culturais, como língua e alimentação, porém, na medida em que eles vão tendo acesso à tecnologia a outras coisas, eles também vão querer se desenvolver porque são seres humanos. “A gente tem que ter esse olhar humano, então eu tenho que olhar para ele como um ser humano igual a mim, respeitando as suas peculiaridades culturais e éticas assim como eu também desejo que ele me respeite da mesma forma".

Na live, o pastor também falou sobre “a visão romantizada” que existe sobre os povos nativos e salientou que as políticas públicas hoje precisam ser mudadas. “Nós temos o nativo que está em situação de aldeamento urbano e os que estão em situação de selva, que não passam de trezentas pessoas, no máximo. Na situação de aldeamento urbano, nas proximidades da cidade, eles não podem ter água encanada, não podem ter asfalto, não podem ter nada disso porque é terra indígena, mas eles estudam na cidade, fazem faculdade, já tem mestrado, já tem doutorado”, explicou. Para o missionário Sérgio Martins, não se pode ter a mesma política para os grupos que estão sem situação de aldeamento de selva e os grupos que estão em aldeamento urbano.

ACESSE O CONTEÚDO

As lives do programa Parlamento Aberto são realizadas no perfil do Instagram, que pode ser acessado em @parlamento_aberto.

As entrevistas também podem ser acessadas no canal do YouTube do Departamento de Comunicação da Câmara de Vereadores de Piracicaba e, ainda, no podcast produzido pela Rádio Câmara Web.

Para receber as informações do Parlamento Aberto direto no celular, é possível se cadastrar na lista de transmissão do Whatsapp neste link.



Texto:  Daniela Teixeira - MTB 61.891
Supervisão de Texto e Fotografia: Valéria Rodrigues - MTB 23.343


Parlamento Aberto

Notícias relacionadas