PIRACICABA, SÁBADO, 26 DE MAIO DE 2018 Aumentar tamanho da letra
Página inicial  /  Webmail

06 DE MARÇO DE 2018

Dicas mostram diferença entre necessidade e oportunidade ao empreender


Encontro sobre empreendedorismo feminino, no Centro Social do Jardim Tatuapé, abordou temas como controle de finanças, precificação de produtos e relação com o cliente.



EM PIRACICABA (SP)  

Foto: Fabrice Desmonts - MTB 22.946 (1 de 7) Salvar imagem em alta resolução

Evento no Centro Social do Jardim Tatuapé compõe programação da Semana da Mulher

Evento no Centro Social do Jardim Tatuapé compõe programação da Semana da Mulher
Foto: Fabrice Desmonts - MTB 22.946 (2 de 7) Salvar imagem em alta resolução

Evento no Centro Social do Jardim Tatuapé compõe programação da Semana da Mulher

Evento no Centro Social do Jardim Tatuapé compõe programação da Semana da Mulher
Foto: Fabrice Desmonts - MTB 22.946 (3 de 7) Salvar imagem em alta resolução

Evento no Centro Social do Jardim Tatuapé compõe programação da Semana da Mulher

Evento no Centro Social do Jardim Tatuapé compõe programação da Semana da Mulher
Foto: Fabrice Desmonts - MTB 22.946 (4 de 7) Salvar imagem em alta resolução

Evento no Centro Social do Jardim Tatuapé compõe programação da Semana da Mulher

Evento no Centro Social do Jardim Tatuapé compõe programação da Semana da Mulher
Foto: Fabrice Desmonts - MTB 22.946 (5 de 7) Salvar imagem em alta resolução

A professora Heliani Berlato dos Santos, da Esalq-USP

A professora Heliani Berlato dos Santos, da Esalq-USP
Foto: Fabrice Desmonts - MTB 22.946 (6 de 7) Salvar imagem em alta resolução

O especialista em finanças Ricardo de Souza

O especialista em finanças Ricardo de Souza
Foto: Fabrice Desmonts - MTB 22.946 (7 de 7) Salvar imagem em alta resolução

A professora Sílvia Maria Morales Pereira, da Unimep

A professora Sílvia Maria Morales Pereira, da Unimep
Foto: Fabrice Desmonts - MTB 22.946 Salvar imagem em alta resolução

Evento no Centro Social do Jardim Tatuapé compõe programação da Semana da Mulher


Donas de padaria, lanchonete e varejão, cabeleireira, vendedora de lingeries, decoradora de festas. Empreendedoras de diferentes áreas receberam dicas para administrar o próprio negócio em um bate-papo, na tarde desta terça-feira (6), com três especialistas que foram ao encontro delas, no Centro Social do Jardim Tatuapé.

A ação, promovida pelo Fórum Permanente de Empreendedorismo Feminino da Câmara junto com o Universo do Pequeno Empreendedor, é uma das 14 atividades que compõem a programação da Semana da Mulher, realizada pelos gabinetes das vereadoras Adriana Cristina Sgrigneiro Nunes, a Coronel Adriana (PPS), e Nancy Thame (PSDB) em parceria com cerca de 40 instituições representativas de vários segmentos da sociedade.

Foi a oportunidade de mulheres que estão à frente de microempresas tirarem dúvidas sobre temas como controle de finanças, precificação de produtos e relação com o cliente. Em tom didático, o especialista em finanças Ricardo de Souza e as professoras Heliani Berlato dos Santos, da Esalq-USP (Escola Superior de Agricultura "Luiz de Queiroz", da Universidade de São Paulo), e Sílvia Maria Morales Pereira, da Unimep (Universidade Metodista de Piracicaba), conversaram com as empreendedoras.

A ideia de distribuir pela cidade as atividades da Semana da Mulher, promovendo eventos em bairros como o Jardim Tatuapé, distante cerca de 4 quilômetros do Centro, foi destacada pela vereadora Nancy Thame (PSDB). Ela também chamou a atenção para a importância de levar informação à mulher que "é empreendedora, mas, muitas vezes, não sabe".

"Nossa intenção é trazer essas mulheres que se sentem sozinhas e que, além de cuidar da casa, trabalham fora, fazem bolo, artesanato, e ajudam na renda. Temos que fortalecer essa corrente na cidade; que cada uma de vocês se sinta parte dela", disse a vereadora às participantes do encontro.

A conversa inicial com as empreendedoras da região do Jardim Tatuapé, segundo Silvia, é a primeira etapa para transformar iniciativas que surgiram diante de uma necessidade (em geral, de origem financeira, para complementar a renda da família) em negócios bem sucedidos, alicerçados sobre um planejamento.

"Nosso desafio aqui é transformar o empreendedorismo que começou sem nenhum preparo, por necessidade, e possibilitar à mulher empreender por oportunidade, transformando sua ideia num negócio sustentável e lucrativo", disse Silvia, ao explicar as diferenças entre os dois conceitos.

"O perfil do empreendedor por necessidade é da pessoa que ficou desempregada e viu o empreendedorismo como única forma de subsistência. Já no empreendedorismo por oportunidade, a pessoa se capacita e estuda o ambiente de negócios, faz uma boa pesquisa de mercado para entender o que seu público-alvo deseja. O empreendedorismo por oportunidade tem como objetivo gerar crescimento econômico ao país, enquanto o empreendedorismo por necessisdade retira as pessoas que vivem na pobreza."

Silvia também comentou sobre fatores que devem ser levados em consideração na relação com o cliente, visando a atender ao que ele busca. De acordo com a professora, quem empreende, "às vezes, prioriza só o preço e ignora outras coisas importantes que o consumidor valoriza". Daí a importância, segundo Silvia, de o negócio focar em eficiência (característica ligada à produção, como redução de custos e de tempo na fabricação de um item) e eficácia (conceito atrelado ao êxito no resultado obtido junto ao cliente).

Especialista em finanças, Ricardo listou quatro requisitos para tirar do papel o plano de ter um negócio próprio: disciplina, organização, conhecimento e planejamento. A disciplina pressupõe, segundo ele, em "fazer o que precisa ser feito mesmo quando não se quer", "colocando certos limites e seguindo alguns procedimentos".

A organização, continuou, evita a perda de tempo. "É preciso saber separar as prioridades e focar nelas nosso tempo e esforço", disse ele, ao citar a importância de não deixar o negócio ser afetado por aspectos da vida pessoal e familiar.

Já o conhecimento e o planejamento, de acordo com Ricardo, dão à empreendedora respostas a perguntas quanto ao perfil do público consumidor do produto vendido ou serviço prestado, aos custos deles e aos fatores que podem ajudar ou atrapalhar o negócio. "Ter um plano de ação é essencial", pontuou.

Heliani apontou o empoderamento como passo necessário para a mulher empreender, superando opressões que, em muitos casos, a levam a pensar que seu trabalho vale menos que o dos homens ou que aquilo que faz não é suficiente. "O empreendedorismo feminino dá o empoderamento para termos o nosso negócio", disse a professora, que destacou o conhecimento e a resiliência como características importantes nesse processo.



Texto:  Ricardo Vasques - MTB 49.918


Tópicos: MulherAdriana NunesNancy Thame

Notícias relacionadas