PIRACICABA, SÁBADO, 13 DE AGOSTO DE 2022
Aumentar tamanho da letra
Página inicial  /  Webmail

29 DE JUNHO DE 2022

Evento on-line destaca legislação e registro de colmeias


Palestra foi promovida pela Escola do Legislativo nesta terça-feira (28), via plataforma Zoom e com transmissão simultânea no YouTube



EM PIRACICABA (SP)  

Simone Dias, engenheira florestal

Simone Dias, engenheira florestal

Elaine Cristina Basso, engenheira agrônoma

Elaine Cristina Basso, engenheira agrônoma
Salvar imagem em alta resolução

Simone Dias, engenheira florestal





A Escola do Legislativo da Câmara Municipal promoveu, nesta terça-feira (28), o quarto encontro sobre a temática das abelhas. A palestra “Legislação e registro de colmeias” tematizou sobre a importância do registro da atividade do mel e as vantagens de regularização da ocupação. 

O evento aconteceu de maneira on-line, via plataforma Zoom e com transmissão simultânea no YouTube. Na ocasião, foi apresentada a legislação vigente e uma explicação de como realizar cadastro no Gedave (Gestão de Defesa Animal e Vegetal), sistema do Governo do Estado de São Paulo que concentra dados sobre a produção agropecuária. 

As facilitadoras foram Elaine Cristina Basso, engenheira agrônoma há 20 anos, com experiência em diversos segmentos de certificação e sustentabilidade e há três anos CEO de Agtech; e Simone Dias, engenheira florestal há 20 anos com atuação na área da educação ambiental, advocacy e sustentabilidade, além de gestora de Agtech. A diretora da Escola, vereadora Silvia Morales (PV), do mandato coletivo ‘A Cidade É Sua’, também participou. 

Em um demonstrativo de dados, Elaine Basso destacou que, no meio ambiente, a contribuição direta das abelhas na biodiversidade corresponde a 35% do suprimento alimentar humano. Além disso, a polinização das abelhas corresponde a 75% do total na natureza. “Quando falamos de alimentos saudáveis, podemos ver a importância que esses insetos têm”, disse ela. 

Segundo a engenheira agrônoma, estima-se que o valor anual da polinização feita pelos insetos chega ao valor de US$ 361 bilhões, o que vale 10% do valor de toda a agricultura mundial. “Basicamente a humanidade não teria dinheiro para custear esse valor de polinização. Sem essas abelhas nós não teríamos a nossa biodiversidade e nossos biomas tão completos como temos”, explicou. 

São catalogadas ao menos 20 mil espécies de abelhas em todo o planeta. No Brasil, Elaine informou que são identificadas duas mil e quinhentas delas. Na subdivisão existem as “sociais”, que apresentam organização, divisão de trabalho e diferenciação de castas; as chamadas “solitárias”, em que cada fêmea cuida de si, com a construção do ninho, postura e alimentação, sem sobreposição de gerações e as “parasitas”, que invadem ninhos de outras abelhas solitárias e depositam seus óvulos nas células de cria. Essas não transportam pólen como as demais. 

Legislação e registro -  De acordo com Elaine Basso, há uma diferenciação dos criadores de abelhas. “Os criadores das abelhas europeias utilizam apiários e nós chamamos esses profissionais de apicultores; já os criadores de abelhas nativas, as abelhas sem ferrão, são chamados de meliponicultor e criam esses insetos nos meliponários. Quando queremos falar desses dois públicos, chamamos de criadores”, detalhou. 

Para os meliponários, é preciso requerer o registro junto ao Gedave (Gestão de Defesa Animal e Vegetal) na Secretaria de Agricultura do Estado e também no Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis). Além disso, Elaine ressalta que a legislação prevê que sejam criadas apenas as abelhas da fauna nativa do próprio estado. “Cada estado tem o seu bioma, suas particularidades e suas espécies”, disse.  

No caso dos apicultores, aqueles que criam abelhas de fauna exótica, Elaine explicou que é preciso que se tenha o Gedave (Gestão de Defesa Animal e Vegetal). Para esta profissão, há um CNAE (Classificação Nacional de Atividades Econômicas) próprio, com diretrizes específicas. “É muito importante fazer esse registro pelo papel social e ambiental que essas abelhas desenvolvem no nosso ecossistema e na nossa biodiversidade”, colocou. 

Com o cadastro nos órgãos competentes, Elaine enfatizou que os criadores conseguem garantir a origem do produto e o mapeamento de ocorrência de possíveis problemas. “Sem esses cadastros fica muito difícil que a vigilância sanitária ou a defesa animal possa fazer o mapeamento de doenças e pragas”, apontou.

A engenheira florestal Simone Dias apontou que as principais dúvidas dos criadores são em relação ao cadastro de abelhas sem ferrão, pois envolvem registros em mais de um órgão, e que dependem de legislação para regularizar algumas situações existentes. “Até um tempo atrás não existia legislação para melipocultura e a atividade era baseada em algumas legislações federais. Embora seja uma atividade antiga, muita gente está precisando se adequar e é muito importante regularizar”, disse. 

Na história, a especialista apontou a legislação como fator de organização da profissão. “Foi após o século de 1920 onde começou o conceito de criação racional de abelhas sem ferrão, o que fez com que fossem necessárias legislações específicas ao longo do tempo, como em 1998, a lei de crimes ambientais 9.605/98, a resolução Conama 346/2004 e recentemente a resolução SIMA novembro de 2021”, detalhou Simone.

Para os meliponicultores que possuem plantel constituído de abelha sem ferrão no estado de São Paulo com até 49 colônias, será necessária a autorização de captura por ninho isca, cadastro no Gedave e a declaração do plantel pré-existente no SIMA. Criadores que possuírem 50 colônias ou mais precisarão, além disso, de autorização de uso e manejo dos insetos.

A íntegra da palestra pode ser assistida ao clicar no vídeo que acompanha a matéria. 





Texto:  Pedro Paulo Martins
Supervisão:  Rodrigo Alves - MTB 42.583
Revisão:  Aline Macário - MTB - 39.904


Escola do Legislativo

Notícias relacionadas