PIRACICABA, SEXTA-FEIRA, 3 DE JULHO DE 2020
Aumentar tamanho da letra
Página inicial  /  Webmail

30 DE JUNHO DE 2020

Especialista detalha poder do autoconhecimento nos propósitos de vida


Lorena Mangabeira explicou a necessidade de enxergar coisas boas para enfrentar a pandemia da Covid-19



EM PIRACICABA (SP)  

Salvar imagem em alta resolução

Lorena Mangabeira é especialista em psicologia positiva





Alcançar os objetivos é um passo muito importante na vida. Porém, hoje esse caminho se tornou um pouco mais complexo. Estar em casa sem conseguir ter uma perspectiva de quando a pandemia irá acabar se tornou algo corriqueiro. Como então levar tudo isso olhando pelo lado bom? Na live desta segunda-feira (29), no perfil no Instagram do programa Parlamento Aberto, a especialista em Psicologia Positiva, Lorena Mangabeira, explicou como isso é possível e crucial no desenvolvimento humano.

Cientificamente, como a profissional explicou, a Psicologia Positiva tem pouco mais de 20 anos, tendo sendo fundada em meados de 1999 a 2000 pelo psicólogo Martin Seligman, quando se tornou presidente da Associação Americana de Psicologia. “Ele olhou para a psicologia e queria entender o por que ela foi criada. Foi então que ele viu que ela não era somente destinada para cuidar das patologias, mas para reforçar talentos e competências.”

Seligman se juntou ao psicólogo Mihaly Csikszentmihalyi, que também tinha estudos sobre o estado de concentração absoluta, o estado de flow (quando a pessoa tem um grande desafio e grande habilidade e perde a noção do tempo e de tudo, por isso, só consegue desenvolver quando vê o seu lado bom e positivo).

“Ainda é uma ciência muito nova, com teses em andamentos, mas é uma psicologia muito bonita, pois traz pro chão tudo aquilo que sentimos e enxerga o lado bom do ser humano, até mesmo quando não percebemos”, disse.

CONTEXTO- Lorena explicou que é necessário que analisemos sempre o contexto em que o ser humano está envolvido para que, assim, ele busque respostas dentro de si. Ela contou que, para entender sobre isso, estudou a antroposofia, ciência que estuda o autoconhecimento, criado por Rudolf Steiner. Nesse estudo, ela explicou que foram criados ciclos de vida em que o ser humano passa para que possa se consolidar em cada etapa e entender o momento em que vive.

O primeiro ciclo citado por ela foi o dos 28 aos 35 anos, no qual as pessoas olham para a sua vida, a planeja e busca se sentir instável e realizada. Já mais para frente, dos 35 aos 42 anos, o ser humano olha para trás e se pergunta o por que fez tudo aquilo que construiu.

Nesta última fase citada por ela, estão, atualmente, os grandes líderes das organizações e também a população que não consome mais por consumir, ou seja, dos dois lados indecisões e questionamentos. Ela também reforçou que a maioria são mulheres, que tem um grande poder de decisão dentro dos grupos familiares.

O segundo contexto, como contou Lorena, é a crise, como a qual é vivida hoje. “Quando olhamos para a pandemia, onde a gente é obrigada a ficar dentro de casa, começamos a perceber que estar em casa traz muitos desafios e reinvenções”, disse. Com isso, ela faz uma analogia aos homens das cavernas que saíam para lutar e as mulheres ficavam em casa esperando. De acordo com ela, ambos desenvolveram instintos em comum no cérebro.

“Estamos falando do cérebro reptiliano, a amígdala, que é responsável por disparar instintos de medo e proteção. É quando estamos fora da nossa zona de conforto, igual ao que estamos vivendo hoje em dia com as incertezas da pandemia. As outras partes também responsáveis pelo bem-estar são o neocortex (parte do cérebro que analisa as decisões) e o sistema límbico que produz emoções básicas como a alegria”, reforçou.

COMO TER EQUILÍBRIO? – Para buscar e manter o equilíbrio, Lorena disse que há um modelo "Perma", em que há cinco linhas para alcançar o bem-estar. Com isso, entra o autoconhecimento para olhar dentro de si e criar a consciência do que tem valor, do que é importante e do que fazer.

O primeiro indicador é o propósito, onde queremos chegar. O segundo é o sentido que damos nas coisas e nas nossas relações. O terceiro são as emoções positivas, ou seja, o tanto que você se proporciona emoções de felicidade. Já o quarto são os relacionamentos significativos, o que eles são para você. Por último, o quinto indicador, é o resultado que a partir dos anteriores você consegue colher como resultados no seu propósito de vida.

“Todos esses indicadores levam ao bem-estar, a consciência plena e a plenitude. Antes éramos acostumados a respostas rápidas. Agora, quando nos deparamos com a pandemia, começamos a sentir desconforto e buscar informações para nos manter saudáveis”, alertou.

Lorena reforçou que o propósito de vida é uma jornada que exige etapas em que as pessoas devem saber o que a fazem felizes, quais seus valores que não abrem mão e, acima de tudo, notar habilidades e competências e, assim, se enxergar como ser humano com defeitos e qualidades. “Faça uma lista das coisas que te mantém saudável, seja treinar, cozinhar ou falar com a família. Crie atividades para que sua mente e seu corpo de mantenham saudáveis”, orientou.

Com isso, como disse a especialista, as pessoas exercem o papel de evolução humana e cerebral, que está ligada às informações que o neocortex e o sistema límbico enviam para o cérebro, na amígdala. “Se eles enviam medo e felicidade, ela faz que desenvolvemos e nos induz a buscar soluções para evoluir”, disse.

OTIMISMO E ESPERANÇA – Na Psicologia Positiva, como contou Lorena, a esperança está ligada ao ser humano olhar para sua vida e saber onde vai chegar, ou seja, ter uma meta. Já o otimismo é acordar todos os dias e estabelecer uma série de atividades para alcançar a meta. “Hoje temos esperança de achar a vacina da Covid-19, mas o que temos que fazer? Ficar em casa, orar e exercer compaixão. Quando proporcionamos energias boas, tudo no nosso corpo ocorre para que isso aconteça”, disse.

Para acompanhar o trabalho da especialista e buscar informações, acesse o link do seu instagram.

ACESSE O CONTEÚDO

As lives do programa Parlamento Aberto são realizadas no perfil do Instagram, que pode ser acessado em @parlamento_aberto.

As entrevistas também podem ser acessadas no canal do YouTube do Departamento de Comunicação da Câmara de Vereadores de Piracicaba e, ainda, no podcast produzido pela Rádio Câmara Web, que está anexado nesta matéria.

Para receber as informações do Parlamento Aberto direto no celular, é possível se cadastrar na lista de transmissão do Whatsapp neste link.



Texto:  Ana Caroline Lopes
Supervisão de Texto e Fotografia: Valéria Rodrigues - MTB 23.343
Revisão:  Erich Vallim Vicente - MTB 40.337


Câmara Cidadania Saúde Parlamento Aberto Coronavírus

Notícias relacionadas