PIRACICABA, QUINTA-FEIRA, 13 DE AGOSTO DE 2020
Aumentar tamanho da letra
Página inicial  /  Webmail

17 DE JULHO DE 2020

Conciliador defende que escola resolva conflitos com diálogo


Aplicação prática da técnica de Justiça Restaurativa em ambiente escolar foi tema de roda de conversa on-line promovida pela Escola do Legislativo nesta sexta-feira.



EM PIRACICABA (SP)  

Osmar Ventris apresentou o conteúdo em roda de conversa on-line

Osmar Ventris apresentou o conteúdo em roda de conversa on-line

Nancy Thame mediou o evento virtual

Nancy Thame mediou o evento virtual
Salvar imagem em alta resolução

Osmar Ventris apresentou o conteúdo em roda de conversa on-line



Defensor da Justiça Restaurativa para a solução de impasses, o advogado e conciliador Osmar Ventris recomendou a adoção da metodologia para a resolução de conflitos no ambiente escolar. O tema foi abordado em roda de conversa on-line promovida na tarde desta sexta-feira (17) pela Escola do Legislativo, da Câmara de Vereadores de Piracicaba.

Ventris disse que o conceito deve ser aplicado tanto entre alunos quanto com o corpo docente, já que práticas de bullying, por exemplo, são verificadas em ambos os grupos. "A Justiça Restaurativa não é um instrumento usado na escola para punir ou dizer como os alunos devem se comportar. É uma filosofia de trabalho, uma cultura da escola, implantada aos poucos, para solucionar conflitos através do diálogo."

Para que a Justiça Restaurativa seja introduzida no dia a dia da escola, o advogado recomendou, primeiro, que haja a capacitação de quem vai trabalhar com a técnica. "Como é vivencial e muito rica, a pessoa vai se conhecer melhor e entender o que se passa com o outro", afirmou, defendendo a "cultura de ouvir com empatia o que o outro tem a dizer".

"A Justiça Restaurativa não tem julgamento. É aprender a trazer para o coração o que o cérebro está processando. É a escuta qualificada, de tentar colocar-se na situação da outra pessoa. Não é aprovar as coisas erradas que ela faz, mas sentir o que está sentindo. Isso é muito importante numa sala de aula", acrescentou, destacando o caráter preventivo da proposta.

Ventris comentou ser comum que o aluno que tira o professor do sério "se comporta assim porque está tendo algum tipo de necessidade não atendida". Ele usou o exemplo de uma estudante que, após perder a avó, passou a agir com agressividade. A aplicação das técnicas de Justiça Restaurativa, com perguntas abertas para deixar a pessoa à vontade sobre o que falar, permitiu a ela "expôr o que estava sentindo". 

"Ela teve a oportunidade de pôr para fora aquilo, tinha a necessidade de os outros saberem o que estava sentindo. Não era caso de punição, nada; era um sentimento que estava corroendo ela por dentro. A partir do momento em que a pessoa [que a ouviu] não se impôs, mas compartilhou o momento dela, ela não encontrou solução para aquilo, mas harmonia."

Ventris criticou o fato de que "vivemos uma cultura punitivista, que procura saber que lei foi ferida, o que a pessoa fez de errado e que castigo ela merece". "Na Justiça Restaurativa, você começa a ver aquele ato como um problema que ocorreu. Quando vai buscar a solução, você tira do foco a punição e busca corrigir aquele problema. É um trabalho de resgatar a humanidade que há entre nós por meio do diálogo."

As perguntas "abertas" citadas por Ventris como importantes para estabelecer o diálogo com o indivíduo que se deseja ouvir não devem conter julgamento, frisou. "Nunca comece perguntas com 'Por que'. Quando você usa 'Por que', a outra pessoa fica na defensiva e muitas vezes responde atacando", explicou o advogado, sugerindo como alternativas indagações do tipo "Como você está se sentindo hoje?" e "Gostaria de falar alguma coisa?".

O conteúdo exposto por Ventris —que também é pós-graduado em segurança pública e mediador judicial e extrajudicial— recebeu avaliações positivas do público que interagiu com perguntas e comentários durante a roda de conversa, transmitida pela plataforma virtual Zoom e pelo canal da Escola do Legislativo no YouTube.

Mediadora da apresentação, a vereadora Nancy Thame (PV) elogiou a participação de Ventris, voluntário assíduo de eventos promovidos pela Escola do Legislativo, da qual a parlamentar é diretora. "Ventris nos ajuda a construir uma estrada iluminada. É muito importante neste momento que consigamos refletir sobre tudo isso e produzir ações", comentou.



Texto:  Ricardo Vasques - MTB 49.918
Supervisão de Texto e Fotografia: Valéria Rodrigues - MTB 23.343


Escola do Legislativo Nancy Thame

Notícias relacionadas