PIRACICABA, DOMINGO, 9 DE DEZEMBRO DE 2018 Aumentar tamanho da letra
Página inicial  /  Webmail

05 DE DEZEMBRO DE 2018

Vereadores cobram “melhor zeladoria” em audiência pública


Representantes da Sedema (Secretaria Municipal de Defesa do Meio Ambiente) foram cobrados durante evento na Câmara



EM PIRACICABA (SP)  

Foto: Fabrice Desmonts - MTB 22.946 (1 de 10) Salvar imagem em alta resolução
Foto: Fabrice Desmonts - MTB 22.946 (2 de 10) Salvar imagem em alta resolução
Foto: Fabrice Desmonts - MTB 22.946 (3 de 10) Salvar imagem em alta resolução
Foto: Fabrice Desmonts - MTB 22.946 (4 de 10) Salvar imagem em alta resolução
Foto: Fabrice Desmonts - MTB 22.946 (5 de 10) Salvar imagem em alta resolução
Foto: Fabrice Desmonts - MTB 22.946 (6 de 10) Salvar imagem em alta resolução
Foto: Fabrice Desmonts - MTB 22.946 (7 de 10) Salvar imagem em alta resolução
Foto: Fabrice Desmonts - MTB 22.946 (8 de 10) Salvar imagem em alta resolução
Foto: Fabrice Desmonts - MTB 22.946 (9 de 10) Salvar imagem em alta resolução
Foto: Fabrice Desmonts - MTB 22.946 (10 de 10) Salvar imagem em alta resolução
Foto: Fabrice Desmonts - MTB 22.946 Salvar imagem em alta resolução





Dentre as principais reclamações encaminhadas aos vereadores, demandas relacionadas à zeladoria do Município foram tratadas durante audiência pública na tarde desta quarta-feira (5), no Plenário Francisco Antônio Coelho, a partir de iniciativa do vereador Laércio Trevisan Jr. (PR), autor do requerimento 572/2018. “Vamos debate sobre tudo que se relaciona à limpeza do bem público”, disse.

Como costuma fazer durante reuniões ordinárias, Trevisan Jr. fez extenso relato sobre a situação de praças, espaços de lazer, áreas verdes e, mais especificamente, guias e sarjetas do Município em que falta cuidado por parte das empresas que mantém contrato com a Prefeitura de Piracicaba. “É a nossa prerrogativa, como vereador, fiscalizar e cobrar o atendimento das diversas demandas chegam até nós”, disse.

As críticas do vereador Trevisan Jr. recaem aos contratos tanto com a Ecoterra Serviços de Limpeza LTDA, para executar manutenção e conservação de áreas verdes e jardinagem, quanto com a Engemaia & Cia. LTDA, responsável pela poda de árvores e limpeza de palmeiras, assim como poda especial, supressão, destoca, plantio e diagnóstico de árvores por ultrassonografia. 

“Tudo o que estamos cobrando está dentro destes contratos, por isso não dá para admitir que não dá para fazer, porque são questões previstas no contrato. Isso está sendo pago para fazer, por isso é preciso maior fiscalização”, disse Trevisan Jr.

O vereador Lair Braga (SD) relatou o que chamou de “assassinato” de uma seringueira, mas ao mesmo tempo demonstrou preocupação com a necessidade de podas por conta do período de chuvas fortes, que começaram em setembro e seguem até, pelo menos, meados de março.

“A gente encaminha requerimentos pedindo informações, mas as respostas são sempre de medidas paliativas. Precisamos de medidas mais concretas. Parece que não querem assumir as responsabilidades”, disse.

Já o vereador Wagner Oliveira (PHS) lembrou que, diariamente, os gabinetes dos parlamentares na Câmara ficam repletos de pessoas solicitando serviços ligados à poda de árvores e limpezas de áreas verdes. “Estamos andando na rua e quem está sendo cobrado somo nós e a gente vê situações em que, às vezes, não precisa ser especialista para saber, por exemplo, quando uma árvore está condenada”, avaliou, pedindo mais agilidade nos pedidos encaminhados à Sedema.

Nancy Thame (PSDB) ressaltou a importância da arborização e lembrou que é preciso estimular o plantio correto, sobretudo em áreas urbanas. “A população precisa ser bem informada sobre qual planta utilizar, assim como é preciso ter um melhor planejamento para as podas”, disse ela, que já atuou como secretária municipal de Meio Ambiente na cidade de Presidente Prudente, cidade do oeste paulista.

“Nós temos tido uma cidade cada vez mais espraiada, com uma expansão urbana que chega a ser desesperadora, e isso cria uma cidade muito mais cara, o que também acaba dificultando para trabalhar nas áreas verdes”, avaliou a vereadora.

Diretor do Departamento de Controle Ambiental da Sedema, Carlos Ambrosano, conhecido como Téia, respondeu os questionamentos de maneira pontual e também de forma geral. “Nós temos a responsabilidade de fazer o melhor uso do recurso público, mas é importante que vocês tenham uma ideia do tamanho do nosso trabalho”, disse, ao informar que existem 11 milhões de metros quadrados de áreas públicas cadastradas, assim como outros 8 milhões de m2 de locais não cadastrados.

Ele relatou que procuram atender todos vereadores, principalmente nas ações de fiscalização. “A gente nunca se negou a esse atendimento e de acompanhamento de campo, e procuramos manter proximidade com os vereadores”, disse.

O diretor do Departamento de Ecossistemas da Sedema, Sinval Sarto, também participou da audiência e explicou como é organizado o trabalho. “No caso da manutenção de áreas verdes e jardinagem, dividimos a cidade em 12 regiões, sendo que cada uma representa uma faixa de 500 a 600 mil metros quadrados, sendo que a empresa responsável conta com cerca de 120 trabalhadores”, disse.

Sinval lembra que a forma de trabalho da Sedema tem dado resultado. “De 2016 para cá a gente teve redução de solicitação do 156 de 70% por causa deste trabalho que estamos fazendo. É muito importante para a gente quando a população está contente e vejo que o agradecimento hoje é muito maior”, destacou.

GUIAS E SARJETAS – Um dos principais problemas apresentados pelo vereador Laércio Trevisan Jr. (PR), a falta de capinação em guias e sarjetas é resultado – segundo os representantes da Sedema – da proibição de uso de produtos químicos, conforme decisão da Anvisa (Agencia Nacional de Vigilância Sanitária) e também de ação interposta pelo Ministério Público contra a Prefeitura de Piracicaba. 

“Uma coisa que está clara aqui é que esse trabalho simplesmente não existe. Aí o resultado é o que vemos na cidade, onde há cada vez mais calçadas tomadas pelo mato, o que acaba deixando esses locais intransitáveis”, disse Trevisan Jr. 

A promessa dos representantes da Prefeitura é de que está sendo buscado uma nova forma para resolver o problema de maneira definitiva. Enquanto isso não ocorre, as fazem parceria com as equipes de varrição nas ruas para tentar amenizar a situação. “Mas isso é um problema que temos por conta desta proibição”, disse o diretor Téia. 

PARCERIA – O vereador Lair Braga (SD) lembrou que a Secretaria de Administração Penitenciária, do Governo do Estado de São Paulo, oferece a possibilidade de parceria com a Prefeitura de Piracicaba para utilizar detentos do sistema carcerário que podem trabalhar para diminuição do tempo de cumprimento das penas.

“Boa parte dos problemas aqui relatados está relacionado à falta de mão-de-obra, eu acredito que isso resolveria em grande medida essa situação”, sugeriu.



Texto:  Erich Vallim Vicente - MTB 40.337
Supervisão de Texto e Fotografia: Valéria Rodrigues - MTB 23.343
Imagens de TV:  TV Câmara
Edição de TV:  Comunicação


Tópicos: Infraestrutura UrbanaLaércio Trevisan JrLair BragaNancy ThameWagner Oliveira

Notícias relacionadas