PIRACICABA, DOMINGO, 9 DE DEZEMBRO DE 2018 Aumentar tamanho da letra
Página inicial  /  Webmail

30 DE NOVEMBRO DE 2018

Choque entre gerações é tema discutido em palestra


Palestrante Fábio Fernandes mostrou a realidade das gerações anteriores e da atual, conhecida como a geração alfa



EM PIRACICABA (SP)  

Foto: Sidney Jr (1 de 6) Salvar imagem em alta resolução

Palestra foi oferecida pela Escola do Legislativo

Palestra foi oferecida pela Escola do Legislativo
Foto: Sidney Jr (2 de 6) Salvar imagem em alta resolução

Palestra foi oferecida pela Escola do Legislativo

Palestra foi oferecida pela Escola do Legislativo
Foto: Sidney Jr (3 de 6) Salvar imagem em alta resolução

Palestra foi oferecida pela Escola do Legislativo

Palestra foi oferecida pela Escola do Legislativo
Foto: Sidney Jr (4 de 6) Salvar imagem em alta resolução

Palestra foi oferecida pela Escola do Legislativo

Palestra foi oferecida pela Escola do Legislativo
Foto: Sidney Jr (5 de 6) Salvar imagem em alta resolução

Palestra foi oferecida pela Escola do Legislativo

Palestra foi oferecida pela Escola do Legislativo
Foto: Sidney Jr (6 de 6) Salvar imagem em alta resolução

Palestra foi oferecida pela Escola do Legislativo

Palestra foi oferecida pela Escola do Legislativo
Foto: Sidney Jr Salvar imagem em alta resolução

Palestra foi oferecida pela Escola do Legislativo



As gerações X, Y, Z e α (alfa) foram temas discutidos na palestra “Geração de Adolescentes e Nativos Digitais”, que ocorreu na sala da aula da Escola do Legislativo, na manhã desta sexta-feira (30). O administrador e historiador Fábio Antonio Fernandes apresentou o choque de realidade e as diferenças entre elas. 

O administrador comentou sobre a primeira geração chamada de “Baby Bommers”, os nascidos entre os anos 1948 a 1963. Essa é composta por pessoas que enfrentaram a Guerra do Vietnã e os movimentos feministas na luta por direitos, também foram educadas com rigidez e seguiam regras padronizadas em relação a disciplina e obediência. “Colocam a carreira acima de tudo e se adaptam em qualquer organização”, disse Fernandes.

A segunda retratada pelo historiador, a geração X, com nativos dos anos 1964 a 1977, é a predominante no mercado atualmente. “Não se detém a padrões tão rígidos, apesar de certo conservadorismo em algumas questões. É a geração que carrega costume dos pais. Filhos de pais separados, e que trabalham fora”, retratou o palestrante.

Segundo Fernandes, a geração Y é que se importa com resultados. “Nasceram na era das inovações tecnológicas, da internet, do excesso de seguranças e do recebimento de estímulos constantes por parte dos pais". São os nascidos de 1978 a 1995.

A geração Z, o palestrante define como a era “dos nativos digitais e daqueles que não sabem distinguir a realidade do digital”. Nascidos depois de 1995, em ambiente de acesso fácil à tecnologia, adquiriu recursos tecnológicos de forma confortável, sem a leitura de manuais.

Além disso, Fernandes abordou sobre as dificuldades que esta mesma geração passa, por exemplo, ao não estabelecer um vínculo com outras pessoas, aparentando ter constantes conflitos. Ele também cita a comunicação social que se torna cada vez mais rara e, então, "surge o egocentrismo, tornando os indivíduos cada vez mais infantis e inseguros”.

A atual geração, conhecia como α (alfa), o administrador explica ser os nascidos de 2011 até o presente momento, e que ainda é composta por crianças que desde muito pequenas, já estavam inseridas em cotidiano tecnológico.

A vereadora Nancy Thame (PSDB), também diretora da Escola do Legislativo, esteve no evento e reforçou a importância da Escola, já que “Legislativo é o poder mais próximo da população”.



Texto:  Fernanda Rizzi
Supervisão de Texto e Fotografia: Valéria Rodrigues - MTB 23.343
Revisão:  Erich Vallim Vicente - MTB 40.337


Tópicos: Escola do LegislativoNancy Thame

Notícias relacionadas