PIRACICABA, SÁBADO, 18 DE NOVEMBRO DE 2017 Aumentar tamanho da letra
Página inicial  /  Webmail

14 DE NOVEMBRO DE 2017

Educadores questionam mais de 40 itens do projeto de plano de carreira


Entre os pontos alvos de críticas, estão os critérios subjetivos de avaliação periódica dos profissionais e a proposta de acréscimo de 1% ao salário a cada quatro anos.



EM PIRACICABA (SP)  

Foto: Davi Negri - MTB 20.499 (1 de 10) Salvar imagem em alta resolução

Questionamentos à proposta do Executivo foram apresentados pelos docentes aos vereadores, em reunião no plenário da Câmara

Questionamentos à proposta do Executivo foram apresentados pelos docentes aos vereadores, em reunião no plenário da Câmara
Foto: Davi Negri - MTB 20.499 (2 de 10) Salvar imagem em alta resolução

Questionamentos à proposta do Executivo foram apresentados pelos docentes aos vereadores, em reunião no plenário da Câmara

Questionamentos à proposta do Executivo foram apresentados pelos docentes aos vereadores, em reunião no plenário da Câmara
Foto: Davi Negri - MTB 20.499 (3 de 10) Salvar imagem em alta resolução

Questionamentos à proposta do Executivo foram apresentados pelos docentes aos vereadores, em reunião no plenário da Câmara

Questionamentos à proposta do Executivo foram apresentados pelos docentes aos vereadores, em reunião no plenário da Câmara
Foto: Davi Negri - MTB 20.499 (4 de 10) Salvar imagem em alta resolução

Questionamentos à proposta do Executivo foram apresentados pelos docentes aos vereadores, em reunião no plenário da Câmara

Questionamentos à proposta do Executivo foram apresentados pelos docentes aos vereadores, em reunião no plenário da Câmara
Foto: Davi Negri - MTB 20.499 (5 de 10) Salvar imagem em alta resolução

Questionamentos à proposta do Executivo foram apresentados pelos docentes aos vereadores, em reunião no plenário da Câmara

Questionamentos à proposta do Executivo foram apresentados pelos docentes aos vereadores, em reunião no plenário da Câmara
Foto: Davi Negri - MTB 20.499 (6 de 10) Salvar imagem em alta resolução

Questionamentos à proposta do Executivo foram apresentados pelos docentes aos vereadores, em reunião no plenário da Câmara

Questionamentos à proposta do Executivo foram apresentados pelos docentes aos vereadores, em reunião no plenário da Câmara
Foto: Davi Negri - MTB 20.499 (7 de 10) Salvar imagem em alta resolução

Questionamentos à proposta do Executivo foram apresentados pelos docentes aos vereadores, em reunião no plenário da Câmara

Questionamentos à proposta do Executivo foram apresentados pelos docentes aos vereadores, em reunião no plenário da Câmara
Foto: Davi Negri - MTB 20.499 (8 de 10) Salvar imagem em alta resolução

Questionamentos à proposta do Executivo foram apresentados pelos docentes aos vereadores, em reunião no plenário da Câmara

Questionamentos à proposta do Executivo foram apresentados pelos docentes aos vereadores, em reunião no plenário da Câmara
Foto: Davi Negri - MTB 20.499 (9 de 10) Salvar imagem em alta resolução

Questionamentos à proposta do Executivo foram apresentados pelos docentes aos vereadores, em reunião no plenário da Câmara

Questionamentos à proposta do Executivo foram apresentados pelos docentes aos vereadores, em reunião no plenário da Câmara
Foto: Davi Negri - MTB 20.499 (10 de 10) Salvar imagem em alta resolução

Questionamentos à proposta do Executivo foram apresentados pelos docentes aos vereadores, em reunião no plenário da Câmara

Questionamentos à proposta do Executivo foram apresentados pelos docentes aos vereadores, em reunião no plenário da Câmara
Foto: Davi Negri - MTB 20.499 Salvar imagem em alta resolução

Questionamentos à proposta do Executivo foram apresentados pelos docentes aos vereadores, em reunião no plenário da Câmara


A Câmara abriu novamente diálogo com profissionais da educação para discutir o plano de carreira, salários e vencimentos proposto pelo Executivo municipal para o magistério público. O projeto de lei complementar 17/2017 foi remetido à Casa no final de outubro e está parado, por determinação do presidente Matheus Erler (PTB), no Departamento Legislativo ––sem ter iniciado, portanto, a tramitação pelas comissões permanentes.

O desejo manifestado pelos vereadores é o de, primeiramente, ouvir entidades de classes e movimentos organizados de professores ––como o Sindicato dos Trabalhadores Municipais, a Apeoesp (Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo) e o "Luto pela Educação"–– para, num segundo momento, discutir a proposta com o Executivo e, só então, colocá-la em votação no plenário ––o que deve ocorrer apenas no ano que vem.

Na noite desta terça-feira (14), por mais de duas horas, representantes do "Luto pela Educação", da Frente das Diretoras e Coordenadoras "Nenhum Direito a Menos" e do Numape (Núcleo Municipal de Apoio Pedagógico de Educação Especial) levantaram dúvidas sobre mais de 40 pontos da proposta que estabelece o plano de carreira no magistério público municipal.

A apresentação do documento com os questionamentos foi acompanhada pelos vereadores Gilmar Rotta (PMDB), Isac Souza (PTB), Wagner Oliveira, o Wagnão (PHS), Osvaldo Schiavolin, o Tozão (PSDB), e Lair Braga (SD). Cerca de 40 profissionais da educação compareceram ao plenário da Câmara.

Professor aposentado e ex-presidente do Ipasp (Instituto de Previdência e Assistência Social dos Funcionários Municipais de Piracicaba), Sérgio Ferreira disse que a proposta do Executivo contraria a Constituição Federal, a qual determina regime jurídico único em todas as esferas da administração pública, sendo que, em Piracicaba, desde 1998, coexistem dois: o estatutário e o celetista.

"Esse projeto de lei complementar é inconstitucional porque a Constituição fala em regime jurídico único e aqui é híbrido. A Prefeitura está contratando irregularmente seus funcionários pela CLT [Consolidação das Leis Trabalhistas]", afirmou, ao citar que a situação levou o Ministério Público a abrir inquérito contra a administração municipal.

Entre os pontos do plano de carreira contestados na apresentação feita pelos docentes aos vereadores, estão os critérios subjetivos de avaliação periódica dos profissionais, os quesitos considerados para a nomeação de diretores e a proposta de acréscimo de 1% ao salário a cada quatro anos.

"Prega-se tanto a valorização, mas não se dá o mínimo de estímulo ao profissional. Querem exigir formação, porém sem contrapartida", criticou Vanessa Pupo, do "Luto pela Educação".

"Este projeto foi visto pelos professores, coordenadores e diretores a partir de sua publicação, em 24 de setembro. Ele nunca foi discutido na esfera da Secretaria de Educação. Na justificativa, colocam que foi amplamente debatido com a categoria. Mentira! Ele está sendo discutido agora pela comissão e pelos vereadores; tem muito servidor que não tem noção da existência dele", acrescentou Sérgio Ferreira.

A necessidade de novas rodadas para esclarecer sobre o conteúdo do plano de carreira foi defendida pelos vereadores que participaram da reunião desta terça-feira. Já a possibilidade de votar a proposta ainda em 2017 foi rechaçada.

"Obviamente, não estou contente com o projeto que veio para a Câmara. Vamos debater bastante, ouvir e procurar fazer com que ele fique a contento de vocês. Deixo claro que a Câmara não vota o projeto este ano: só vai colocá-lo em discussão no plenário quando cessarem todas as discussões e quando tivermos ouvido todo mundo e feito um substitutivo", afirmou Gilmar Rotta.

"Se ouvirmos cada um, cada um vai querer um plano diferente. Mas, se chegarmos a um consenso, teremos um plano que será bom para todos. Se for para aprovar um plano como este que chegou aqui, é melhor ficar como está", observou Wagnão.

"Tenho certeza de que a Câmara não vai aprovar nada que seja inconstitucional. Vamos continuar ouvindo vocês detalhadamente para que não votemos um plano na correria", disse Lair Braga.

"Temos até 2020 para fazer o nosso trabalho. Temos muito a conversar ainda para clarear as ideias. Não hesitem de procurar esta Casa", declarou Tozão.

"Do jeito que as coisas chegaram aqui, não há a menor condição de votar este projeto. Precisamos do entendimento sobre como ele foi construído", completou Isac, que elogiou a postura dos professores ao expressarem, cada um, seu ponto de vista durante a reunião.



Texto:  Ricardo Vasques - MTB 49.918


Tópicos: EducaçãoGilmar RottaIsac SouzaLair BragaOsvaldo SchiavolinWagner Oliveira

Notícias relacionadas